Bolsa Bolsa nacional no verde à boleia dos CTT e JM

Bolsa nacional no verde à boleia dos CTT e JM

A bolsa nacional arrancou a sessão desta quinta-feira em alta, impulsionada nomeadamente pelas acções dos CTT e da Jerónimo Martins. Entre as restantes praças europeias, o sentimento é também de ganhos.
Ana Laranjeiro 24 de Novembro de 2016 às 08:09

Foi com sinal positivo que a bolsa de Lisboa arrancou a sessão desta quinta-feira, 24 de Novembro. O PSI-20 soma 0,18% para os 4.434,98 pontos, com nove cotadas em alta, cinco em queda e quatro inalteradas. Entre as restantes praças europeias o sentimento para já é de ganhos, num dia em que o mercado norte-americano vai estar encerrado por ser o dia de Acção de Graças.


Por cá, destaque para as acções dos CTT e da Jerónimo Martins. A empresa de serviço postal soma 0,90% para 5,854 euros.


No retalho, a Jerónimo Martins sobe 0,37% para 14,755 euros. Já a concorrente Sonae começou o dia também em alta, valorizando 0,39% para 78 cêntimos.

No verde estão também os títulos da Nos, que avançam 0,38% para 5,563 euros.

Na banca, o BCP arrancou inalterado nos 1,175 euros depois de na sessão desta quarta-feira ter sido a acção que mais penalizou o índice português. No início da semana, a Chiado (veículo dos chineses da Fosun) comunicou ao mercado a posição qualificada de 16,7% no banco liderado por Nuno Amado.


Ainda neste sector, o BPI abriu a ceder 0,09% para 1,127 euros. A Assembleia Geral do BPI, que decorreu ontem no Porto, foi suspensa e será retomada a 13 de Dezembro. A venda de 2% do Banco de Fomento de Angola à Unitel, por 28 milhões de euros, acabou por não ficar decidida e ser assim adiada. O banco catalão CaixaBank assegurou que esta prorrogação tem apenas a ver com o facto de se estar à espera da possível confirmação, por parte do Banco Central Europeu, sobre se esta venda é suficiente para solucionar o excesso de concentração de riscos do BPI em Angola.

Na energia, a EDP soma 0,07% para 2,702 euros e a EDP Renováveis cresce 0,15% para 6,018 euros. A REN recua 0,47% para 2,53 euros e a Galp cede 0,04% para 12,625 euros. Ontem foi noticiado que a Shell e a Total vão disputar mercado de combustíveis com a Galp.


Nota ainda para as acções da Mota-Engil, que somam 0,19% para 1,60 euros recuperando assim da desvalorização registada na última sessão. A cotada revelou na última terça-feira que não ia apresentar resultados trimestrais, sendo a única empresa componente do principal índice português a usar esta prerrogativa prevista com a alteração do Código dos Valores Mobiliários.



(Notícia actualizada às 08:21 com mais informações)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

MOTA ENGIL UMA ACAO DE RISCO, NAO ACONSELHAVEL, INVESTIR NAS EMPRESAS COM BOS DIVIDENDOS E SABER ESPERAR ,E O CASO DA NAVIIGATOR, TEM UM TARGET DE 4,80, EUROS

ABCDEF1 Há 2 semanas

Os suinos motas tudo têm feito para deitar a ações para baixo. Já em meados de agosto arranjaram maneiro de lhes sert dada uma bicada valente. Agora de novo, MAS COM QUE INTENÇÃO? Será que a CMVM e/ou o governo não vê isso? Estas investidas não foram, de certeza, de ânimo leve; foi tudo premeditado. Os tótós dos acionistas que se lixem.

ABCDEF1 Há 2 semanas

MALDITOS MOTAS E ENGILES

pub