Bolsa Bolsa nacional no vermelho pressionada pela Nos e BCP

Bolsa nacional no vermelho pressionada pela Nos e BCP

A praça lisboeta transaccionou em terreno negativo pelo segundo dia, numa sessão em que as perdas da Nos, da banca nacional e do sector energético pressionaram.
David Santiago 22 de dezembro de 2016 às 16:42

O PSI-20 encerrou a sessão bolsista desta quinta-feira, 22 de Dezembro, a perder 0,72% para 4.612,72 pontos, com 13 cotadas a negociar em queda, quatro em alta e uma inalterada, naquela que foi a segunda sessão seguida em que o principal índice nacional negociou em terreno negativo.

 

A bolsa lisboeta acompanhou a tendência de perdas registada na maior parte das principais praças europeias, num dia em que a incerteza em torno do processo de recapitalização do Monte dei Paschi cresceu de tom, perspectivando-se já como cada vez mais provável a possibilidade de o Estado italiano ter de resgatar aquele que é o terceiro maior banco do sistema financeiro transalpino. 

No plano nacional foi a Nos, a banca e o sector energético que mais penalizaram. A Nos perdeu 1,94% para 5,517 euros.

Já o BCP recuou 2,69% para 1,0842 euros, com o banco liderado por Nuno Amado a ser pressionado pelas perdas da sua filial polaca. O Bank Millennium chegou a cair quase 6% numa altura em que se especula sobre a possibilidade de o Governo polaco aumentar o imposto sobre os empréstimos hipotecários concedidos em moeda estrangeira (na Polónia, maioritariamente em francos suíços) para incentivar a sua conversão para zlotys.

Ainda na banca, o BPI terminou o dia a resvalar 0,09% para 1,127 euros. 

Também na energia o sentimento foi negativo, com a EDP a perder 1,24% para 2,867 euros no dia seguinte ao fundo soberano da Noruega ter colocado a eléctrica sob observação, para analisar se o recurso ao carvão é motivo para excluir a empresa portuguesa do seu portefólio. Já a EDP Renováveis deslizou 0,59% para 5,885 euros, a REN cedeu 0,22% para 2,669 euros, enquanto a Galp Energia desvalorizou 0,60% para 14,02 euros no dia em que o Haitong considerou que o acordo alcançado entre a Petrobras e a Total é "positivo" para a petrolífera nacional.

Ainda com nota negativa os CTT recuaram 0,83% para 6,327 euros. 

A travar uma queda mais pronunciada da bolsa nacional esteve o sector do retalho, numa sessão em que a Sonae apreciou 0,69% para 0,874 euros e a Jerónimo Martins ganhou 0,14% para 14,48 euros.

Já a maior subida registada na sessão coube à Pharol que cresceu 2,48% para 0,207 euros. 

(Notícia actualizada às 16:48)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Agora percebo porque o Sabadell saltou fora e porque entraram os chineses. os Chineses sao especialistas (tal como os fundos abutres) de entrar em algo que vai falir para tratar de ter créditos fiscais! Lindo! BCP está mesmo falido!

Anónimo Há 4 semanas

bcp cancro a novamente a caminho do zero digo, falência...será que é dia 26 ou dia 31 a falência do maior cancro da bolsa...nem o bes chegou a tão miserável valor...quando o bes foi ao tapete as ações valiam 12 centimos o bcp falido que triturou + de 5000 milhões aos acionistas valia 1,4 cents falid

economista Há 4 semanas

BCP,,, A CAMINHO DO ZERO. AUMDNTO CAPITAL A VISTA a cmvm nao faz nada, se fosse o BPI, AS ACOES ERAM SUSPENSAS, E ASSIM VAI UMA EMPRESA A FALENCIA, COM A ESPECULACAO,

pub