Bolsa Bolsa no vermelho penalizada por Nos e Jerónimo Martins

Bolsa no vermelho penalizada por Nos e Jerónimo Martins

A bolsa de Lisboa continua a negociar em terreno negativo, penalizada pelas acções da Nos e Jerónimo Martins. Entre as restantes praças europeias, não se verifica uma tendência definida.
Bolsa no vermelho penalizada por Nos e Jerónimo Martins
Reuters
Ana Laranjeiro 05 de Janeiro de 2017 às 10:58

O vermelho continua a ser a cor dominante na bolsa nacional. O PSI-20 desce 0,38% para 4.723,23 pontos, com nove empresas em queda, sete em alta e duas inalteradas. Entre as restantes praças europeias, não se verifica uma tendência definida. Esta evolução tem lugar depois de ontem a Reserva Federal dos Estados Unidos ter divulgado as minutas do encontro de Dezembro. No documento consta que vários responsáveis do banco central admitem um aumento mais forte dos juros para contrariar as pressões inflacionistas que podem resultar do plano de estímulos orçamentais de Donald Trump.

Além disso, esta quinta-feira, 5 de Janeiro, vão ser divulgados vários dados económicos nos Estados Unidos. O relatório semanal dos novos pedidos de subsídio de desemprego será conhecido às 13:30 (hora de Lisboa) e 15 minutos antes a ADP publica o relatório mensal do emprego. As expectativas apontam para que tenham sido criados 170 mil empregos em Dezembro, sendo que este indicador antecipa a divulgação na sexta-feira dos dados governamentais do mercado de trabalho. A evolução do sector dos serviços nos EUA em Dezembro é também um dos indicadores aguardados pelos investidores.

Por cá, destaque pela negativa para as acções da Nos, Jerónimo Martins e Galp Energia.

A operadora liderada por Miguel Almeida recua 1,45% para 5,556 euros. A Pharol segue inalterada nos 21,8 cêntimos.

No retalho, a Jerónimo Martins alivia um pouco dos fortes ganhos registados na última sessão – em que beneficiou de uma nota de análise emitida pelo JPMorgan – e recua 0,67% para 15,54 euros. A concorrente Sonae cede 0,34% para 87,9 cêntimos.

A Galp Energia perde 0,74% para 14,10 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo estão a cair nos mercados internacionais. O barril de Brent do Mar do Norte, que serve de referência para as importações nacionais, desce 0,12% para 56,39 dólares.

Ainda no sector energético, a EDP soma 0,03% para 2,892 euros e a EDP Renováveis desvaloriza 0,61% para 6,012 euros. A REN cai 0,30% para 2,673 euros.

Na banca, não se verifica uma tendência definida. O BCP soma 1,07% para 1,0738 euros e o BPI desce 0,18% para 1,128 euros.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

esta acção sonae sgps já há muito tempo que está desacreditada!

Anónimo Há 2 semanas

O Engenheiro acha que todos os portugueses devem ter ações SONAE a preços de saldos.

Anónimo Há 2 semanas

A SONAE SGPS só sobe e desce quando o Eng Belmiro assim o enteder!

Anónimo Há 2 semanas

CTT a melhor aposta, não tem nada que enganar. Uma empresa sólida, com uma estrutura financeira de fazer inveja a todas as outras. Em 2018 o banco postal atinge o breakeven. Contrato com a Amazon em Espanha.O Champalimaud não comprou 10% da empresa para perder dinheiro. O melhor dividendo da bolsa.

ver mais comentários
pub