Bolsa Bolsa regista a maior subida em 10 meses

Bolsa regista a maior subida em 10 meses

A bolsa nacional acentuou os ganhos, num movimento partilhado pelas restantes praças europeias. O PSI-20 subiu mais de 2%, naquela que foi a melhor sessão desde Abril do ano passado.
Bolsa regista a maior subida em 10 meses
Sara Antunes 07 de fevereiro de 2018 às 16:45
Depois de dias negros, os investidores voltaram a fazer brilhar as bolsas. O verde foi a cor dominante na negociação bolsista desta quarta-feira, com o PSI-20 a subir 2,16% para 5.441,08 pontos. Esta foi a melhor sessão da bolsa nacional desde 24 de Abril, dia em que o principal índice subiu 2,48%.

A bolsa nacional conseguiu assim pôr termo ao pior ciclo de quedas desde Janeiro de 2016, depois de ontem ter fechado a sessão a cair pelo sétimo dia consecutivo. A subida desta quarta-feira coloca novamente o PSI-20 a valorizar desde o início do ano, seguindo agora com uma subida superior a 1%.

No resto da Europa o cenário é semelhante, com os índices a subirem e a interromperem um ciclo de fortes quedas. O Stoxx600, índice que agrega as 600 maiores cotadas europeias, também apreciou mais de 2%. Nos EUA, depois de ontem no fecho a subida ter sido de 2%, com o S&P500 a registar a melhor sessão desde 2016, esta quarta-feira volta a registar-se ganhos.

Na bolsa nacional, à semelhança das últimas sessões, as variações das cotadas são acentuadas. Mas hoje com sinal positivo. Das 14 cotadas do PSI-20 que fecharam a subir 10 valorizaram mais de 2%.

Destaque para o BCP, que ganhou 4,27% para 0,305 euros. O banco liderado por Nuno Amado foi a cotada mais penalizada nas sete sessões anteriores, tendo acumulado então uma queda de 12%. O BCP acompanhou a tendência dos congéneres, sendo que o sector financeiro é dos mais expostos a questões relacionadas com política monetária. E o grande catalisador das fortes perdas foram precisamente os receios em torno de mais aumentos de juros nos EUA.

 

Em grande destaque continuam também as acções da Pharol, que têm protagonizado as maiores descidas e as maiores subidas. Se na segunda-feira, a Pharol registava uma queda acumulada superior a 25% desde o início do ano, hoje já só perder cerca de 6%. Isto porque ontem as acções subiram quase 16% e hoje voltaram a disparar 10,38% para 0,234 euros. As oscilações da empresa liderada por Palha da Silva têm estado relacionadas com o impasse e o braço de ferro com a Oi.

 

Do lado oposto, destaque para os CTT, que fecharam a cair 2,84% para 3,35 euros, depois de terem sido alvo de uma nota de análise por parte do Morgan Stanley, na qual o banco de investimento corta a sua avaliação da empresa de correios em 15%.

Alvo de uma nota de análise foi também a EDP Renováveis, desta feita por parte do Haitong, que elevou a sua avaliação da empresa de energias renováveis para 8 euros, um valor que está bastante acima da actual cotação. As acções da empresa liderada por Manso Neto somaram 1,97% para 6,995 euros. Já a EDP apreciou 3,37% para 2,729 euros.

Destaque ainda para a Navigator, cujas acções subiram 0,38% para 4,234 euros, a um dia de serem conhecidos os resultados de 2017. O CaixaBI prevê que a empresa liderada por Diogo da Silveira tenha registado lucros de 203 milhões de euros, o que representa uma quebra de 7% face ao exercício de 2016. As receitas anuais terão aumentado para 1.631,7 milhões de euros e o EBITDA terá crescido para 407,8 milhões de euros.


(Notícia actualizada às 16:47 com mais informação)