Bolsa Bolsa sobe em dia de chuva de máximos

Bolsa sobe em dia de chuva de máximos

A bolsa nacional contrariou a tendência de queda que impera entre os congéneres europeus e subiu, à boleia da EDP, que ganhou quase 3%, e da Pharol, que disparou mais de 8,5%. Fora do principal índice nacional foram fixados oito máximos.
Bolsa sobe em dia de chuva de máximos
Sara Antunes 06 de junho de 2017 às 16:43

O PSI-20 fechou a apreciar 0,78% para 5.319,21 pontos, com 15 cotadas em alta e quatro em queda, num dia em que entre os congéneres europeus a tendência foi de quedas generalizadas, com destaque para a farmacêutica Roche, que perdeu mais de 5,5% depois de ter revelado dificuldades em explicar os resultados de um estudo na área do tratamento do cancro da mama.

 

Na praça lisboeta, a EDP tem sido o destaque, depois de ontem ter caído mais de 2%, a reflectir os receios dos investidores em relação às suspeitas de corrupção que recaem sobre o presidente da eléctrica, António Mexia, e o presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, no âmbito de um processo de investigação sobre as compensações na energia. Os dois responsáveis foram mesmo constituídos arguidos.

 

Esta terça-feira, 6 de Junho, os responsáveis da EDP deram uma conferência de imprensa para explicar os contornos do processo. António Mexia garante que a eléctrica não beneficiou dos nos contratos de compensações, que cumpriu a lei e que esta questão não deverá colocar qualquer travão na oferta pública de aquisição (OPA) lançada sobre a EDP Renováveis, cujos dados estão agora nas mãos do regulador do mercado de capitais.


As palavras de Mexia ajudaram os investidores a acalmarem os seus receios e as acções, que ainda chegaram a cair no arranque da sessão, fecharam a subir 2,84% para 3,257 euros. A EDP Renováveis também apreciou 0,98% para 6,997 euros.  

 

A REN, que também está envolvida no processo com dois responsáveis também arguidos, terminou a sessão a valorizar-se 3,64% para 2,935 euros.

Ainda no sector da energia, a Galp registou um ganho ligeiro de 0,04% para 13,635 euros, num dia em que os preços do petróleo regressam às quedas. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, está a perder 0,51% para 49,22 dólares, depois de ontem o petróleo ter acabado por registar uma queda pronunciada, com os investidores a reflectirem os receios em torno do excesso de fornecimento desta matéria-prima no mercado. 

 

A Pharol destaca-se pelos ganhos expressivos (8,61% para 0,29 euros), num dia em que não há notícias que sustentem este comportamento.

A Jerónimo Martins também contribuiu para o sentimento positivo, ao ganhar 0,82% para 17,725 euros.

 

Em queda estiveram as acções do BCP. Os títulos recuaram 1,23% para 0,2335 euros.

 

Já o Montepio, que tem estado sob os holofotes, terminou o dia com uma queda pronunciada, com as unidades de participação a descerem 5,95% para 0,585 euros, a aliviar das fortes subidas das últimas sessões quando beneficiou das notícias que dão conta da aproximação da Santa Casa ao Montepio. Ainda esta terça-feira, 6 de Junho, o Negócios adianta que comprar 10% do Montepio vai exigir que a Santa Casa mobilize quase 140 milhões. O investimento passará a representar mais de 18% do património da entidade liderada por Santana Lopes. 

 

A Mota-Engil, que descontou hoje o dividendo de 13 cêntimos que vai distribuir pelos seus accionistas, fechou a subir 0,41% para 2,691 euros. Se não fosse este ajustamento técnico, as acções da construtora teriam subido mais de 5,5%, depois de o Haitong ter emitido uma nota de análise onde revê em alta a avaliação da Mota-Engil em 25%. Apesar desta melhoria, o actual preço-alvo do Haitong está abaixo da cotação.

 

A Corticeira Amorim registou um ganho de 0,52% para 12,65 euros, tendo renovado o máximo histórico durante a sessão ao tocar nos 12,95 euros.

Máximos fora do PSI-20

 

A subida das cotadas que estão fora da principal montra bolsista de Portugal continua. Esta terça-feira oito empresas tocaram em máximos de, pelo menos, um ano.

 

A Inapa subiu mais de 13% para 0,164 euros, tendo chegado a tocar nos 0,168 euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde Abril de 2015. A subida foi acompanhada por uma elevada liquidez, tendo trocado de mãos mais de dois milhões de acções, quando a média diária dos últimos seis meses é inferior a 150 mil títulos. Este é mesmo o volume mais elevado desde Março de 2015.

 

Já a Impresa avançou 5,08% para 0,331 euros, tendo tocado nos 0,33 euros, o que corresponde ao nível mais alto desde Maio de 2016. Neste caso, com uma liquidez também elevada, tendo trocado de mãos mais de 1,38 milhões de títulos, quando a média é inferior a 550 mil acções diárias.

 

A Teixeira Duarte avançou 5,75% para 0,423 euros, tocando assim no nível mais alto desde Novembro de 2015. A liquidez também foi superior à média dos últimos seis meses (menos de 150 mil acções), mas com uma dimensão menor, tendo transaccionado mais de 830 mil títulos.

 

A Martifer também apreciou 1,64% para 0,371 euros, tendo negociado em máximos de Junho de 2015 (0,38 euros).

 

E, por fim, a SAG tocou no nível mais alto desde Julho de 2015 ao negociar nos 0,23 euros. 

(Notícia actualizada às 16:56 com mais informação)




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.06.2017

Há um processo de substituição acelerada de factor trabalho por factor capital. Esse processo em curso é agora imparável. Atingiu um ponto de não retorno. O único retorno previsível é o Retorno Sobre o Investimento, em inglês conhecido como ROI. Viva o ROI! Longa vida ao ROI!

comentários mais recentes
Anónimo 06.06.2017

O BCP amanhã sobe. Vai uma aposta?

Anónimo 06.06.2017

NAVIGATOR, A MELHOR DE TODAS, BREVE MAIS UM DIVIDENDO, O MEU DINHEIRO NAO VAI PARA MAIS EMPRESA NENHUMA, BOA CONTINUACAO

Criador de Touros 06.06.2017

O ideal seria que falar do BCP fosse só beber gasolina e soprar, mas a realidade exige-nos por vezes paciência, se não este mundo seria canja.

Esguicho 06.06.2017

Caros amigos, haja serenidade ! Há mtos anos que acompanho a sonae, em bull e bear market, e o seu desempenho foi sempre um pouco em contra-ciclo ! Talvez não tanto como desta vez, mas foi sempre dentro deste regime. Por isso mesmo, para quem tem nervos d'aço, acaba por ser a que dá mais retorno !

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub