Bolsa Bolsa sobe pela sétima sessão para máximos de dois anos

Bolsa sobe pela sétima sessão para máximos de dois anos

O PSI-20 regista já uma série de 15 sessões de ganhos em 16, um ciclo positivo que coincide com a subida de rating por parte da Standard & Poor’s.
A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro 29 de setembro de 2017 às 08:13

O ciclo de ganhos da bolsa nacional continua a aumentar. O PSI-20 abriu hoje de novo em alta e marca já uma série de sete sessões consecutivas de ganhos. Nas últimas 16 sessões, apenas numa delas o índice fechou em terreno negativo.

 

O índice português valoriza 0,31% para 5.392,45 pontos, com 13 cotadas em alta, uma em queda e quatro sem variação. Está assim a reforçar máximos desde Dezembro de 2015, que já tinha atingido na última sessão.

 

A praça portuguesa tem beneficiado sobretudo com o optimismo gerado com a subida de rating da S&P para Portugal, mas também com o momento positivo que se vive nas bolsas mundiais. Wall Street está a negociar em novos máximos históricos e as bolsas europeias também estão em terreno positivo.  

 

A atenção dos investidores está hoje centrada nos dados económicos que vão ser divulgados na Zona Euro, sobretudo a estimativa rápida da inflação na Zona Euro, sendo que os economistas apontam para uma subida de 1,3% para 1,5%.


Ainda na Europa, na Alemanha teremos a taxa de desemprego de Setembro, em França será divulgada a estimativa rápida para a taxa de inflação em Setembro, e no Reino Unido serão apresentados os dados do PIB do segundo trimestre.

 

Todos os pesos pesados da praça portuguesa negoceiam em alta, com destaque para o Banco Comercial Português que avança 0,66% para 0,2456 euros. O BCP, a CGD e o Novo Banco assinaram um memorando de entendimento para a criação de um veículo que vai gerir os créditos malparados dos bancos.

 

A Jerónimo Martins ganha 0,33% para 16,585 euros, a EDP valoriza 0,66% para 3,21 euros e a Galp Energia ganha 0,1% para 15,10 euros. O Governo pediu no final de Julho uma investigação aos preços de combustíveis em Portugal e aos preços de referência dos combustíveis na União Europeia, mas Bruxelas considera que actualmente não existem razões para essa análise.

 

A Novabase ganha 0,83% para 3,639 euros depois de ontem ter reagido em forte alta ao anúncio de pagamento de um dividendo extraordinário de 50 cêntimos por acção.