Bolsa Bolsa nacional em alta impulsionada pela Galp e retalho

Bolsa nacional em alta impulsionada pela Galp e retalho

A praça lisboeta registou a segunda sessão consecutiva no verde, num dia em que os ganhos alcançados pela Galp Energia, pela Sonae e pela Jerónimo Martins impulsionaram.
David Santiago 04 de Outubro de 2016 às 16:42
O PSI-20 encerrou a sessão bolsista desta terça-feira, 4 de Outubro, a somar 0,80% para 4.635,71 pontos, com 10 cotadas a negociar em alta, seis em queda e duas inalteradas, naquele que foi o segundo dia consecutivo em que a bolsa nacional transaccionou em terreno positivo. 

A bolsa lisboeta acompanhou a tendência de ganhos verificada nas principais praças do Velho Continente, numa altura em que o Stoxx 600, que agrega as 600 maiores cotadas europeias, registou a sexta sessão seguida a valorizar, a maior série de ganhos em quase um ano para o índice bolsista de referência europeu, isto num dia em que a libra atingiu mínimos de mais de 30 anos em relação ao dólar.

 

No plano nacional foi a Galp Energia que mais contribuiu para a performance positiva da praça lisboeta. A petrolífera somou 1,97% para 12,425 euros, seguindo a subida do preço do petróleo nos mercados internacionais, numa altura em que em Londres, o Brent do Mar do Norte, utilizado como valor de referência para as importações nacionais, segue a subir 0,65% para 51,22 dólares por barril.

 

Também em alta esteve o sector português do retalho. O destaque principal da sessão vai mesmo para a Jerónimo Martins que avançou 1,43% para 16,005 euros num dia em que ao tocar nos 16,04 euros por acção atingiu o valor mais elevado desde Julho de 2013. 

A justificar a subida da Jerónimo Martins está a possibilidade de a retalhista distribuir um eventual dividendo extraordinário em 2016, isto depois de a cotada ter formalizado na passada sexta-feira a venda da sua participada, detida a 100%, Monterroio – Industry & Investments BV, numa operação que garantirá uma mais-valia de 75 milhões de euros.

 

Nota positiva ainda para a Sonae que se apreciou em 3,62% para 0,716 euros, naquela que foi a maior subida diária para a retalhista desde o dia 31 de Agosto. 

O sector financeiro encerrou sem mudanças significativas. Se o BPI registou uma ligeira subida de 0,09% para 1,13 euros, o BCP terminou o dia inalterado nos 0,0155 euros.

 

Também a Nos teve um dia positivo ao ganhar 1,79% para 6,126 euros.

 

Nota negativa para o grupo EDP, com a EDP a recuar 0,75% para 2,90 euros e a EDP Renováveis a perder 0,57% para 7,023 euros.

 

(Notícia actualizada às 16:57)



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.10.2016


FP – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO


OS FP DEVEM ESTAR MOTIVADOS APENAS POR TER EMPREGO!

Pois estão bem melhor do que as vítimas do SOCRATES GATUNO que endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

comentários mais recentes
Fanhoso 04.10.2016

Cúroka, trader, economista
estás a ver no que estás metido mais uma vez..
eu não te avisei CÚroka para não jogares na bolsa
ve só o que perdes-te hoje na Impresa e nos Ctt
se comprases certificado do tesouro como eu estavas sossegado da tua cabeça

Anónimo 04.10.2016


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total
2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0
2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3
2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9
2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

Anónimo 04.10.2016


FP – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO


OS FP DEVEM ESTAR MOTIVADOS APENAS POR TER EMPREGO!

Pois estão bem melhor do que as vítimas do SOCRATES GATUNO que endividou o país até à bancarrota, para pagar salários e pensões da FP…

Lançando 500.000 trabalhadores no desemprego!

pub