Bolsa Bolsas dos EUA arrancam em novos máximos

Bolsas dos EUA arrancam em novos máximos

Pela primeira vez na história o Dow Jones superou a barreira dos 19.000 pontos e o S&P500 a marca dos 2.200 pontos. Ontem, os quatro grandes índices atingiram máximos, em simultâneo, pela primeira vez desde 1999.
Bolsas dos EUA arrancam em novos máximos
Reuters
Rita Faria 22 de Novembro de 2016 às 14:44

Os principais índices norte-americanos estão a prolongar os ganhos da sessão de ontem, que os levaram a atingir, em simultâneo – pela primeira vez desde 1999 – novos máximos históricos.

 

Esta terça-feira, marcam novos recordes. O índice industrial Dow Jones superou pela primeira vez os 19.000 pontos com uma subida de 0,27%, enquanto o tecnológico Nasdaq valoriza 0,3% para 5.384,99 pontos. O S&P500 ganha 0,2% para 2.202,23 pontos. É a primeira vez que este índice supera a barreira dos 2.200 pontos.

 

Tal como ontem, as subidas estão a ser impulsionadas sobretudo pelas empresas ligadas às matérias-primas, numa altura em que cresce a expectativa de que as políticas de Trump vão promover o crescimento económico e o regresso da inflação.  

 

"O mercado está muito mais certo agora", afirma Heinz-Gerd Sonnenschein, estratego do Deutsche Postbank, citado pela Bloomberg. "As acções já não estão presas naquele nível frustrante e atingimos finalmente novos recordes. (…) Há fortes sinais de que a economia dos EUA está em boa forma, o que é um bom presságio para os lucros das empresas".

 

Por outro lado, o mercado está certo de que a Reserva Federal vai mesmo subir os juros na reunião de Dezembro. As probabilidades apontadas pelos analistas estão agora nos 100%, depois de, na passada quinta-feira, a presidente da Fed, Janet Yellen, ter admitido que o banco central está perto de subir novamente as taxas de juro, uma vez que a economia dos EUA continua a ganhar tracção.

 

Esta terça-feira deverá ser revelado que o crescimento das vendas de casas usadas nos Estados Unidos abrandou em Outubro, embora tenha permanecido próximo de máximos de nove anos, segundo as estimativas compiladas pela Bloomberg.

 

Amanhã, os investidores estarão atentos aos dados sobre a venda de casas novas, bens duradouros e produção industrial, e também às minutas da Fed sobre a última reunião de política monetária. Na quinta-feira, devido à comemoração do dia de Acção de Graças, os mercados norte-americanos estarão encerrados. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Guilherme Há 2 semanas

Os juros vão subir e vai haver dinheiro fresquinho. Como sempre, vai aumentar o emprego com salários mais baixos. Os EUA são per si um mercado que se aguenta quase sózinho. Deve circular mais dinheiro em NY num só dia, do que em Portugal num ano inteiro.

pub