Bolsa Bolsas dos EUA arrancam em queda a aliviar de máximos

Bolsas dos EUA arrancam em queda a aliviar de máximos

As bolsas dos EUA iniciaram a sessão em queda, a aliviar das subidas recentes, numa semana marcada por menos investidores, devido ao feriado de amanhã.
Bolsas dos EUA arrancam em queda a aliviar de máximos
Reuters
O Dow Jones desce 0,07% para 19.010,41 pontos, o Nasdaq recua 0,34% para 5.367,828 pontos e o S&P500 perde 0,37% para 2.194,80 pontos.

As bolsas estão a descer, a aliviar dos ganhos recentes que levaram as bolsas para máximos. Na quinta-feira, 24 de Novembro, comemora-se o Dia de Acção de Graças, pelo que as bolsas estarão encerradas. 

Na segunda-feira, 21 de Novembro, quatro dos seus principais índices bolsistas norte-americanos atingiram recordes, o que não acontecia em simultâneo há já 17 anos. Esta terça-feira, a tendência manteve-se.

 

Contundo, hoje as bolsas acabaram por aliviar parte destas subidas, que elevaram para mais de 7% o ganho dos três principais índices bolsistas americanos desde o início do ano.

 

Os investidores estão convictos de que as políticas da Administração Trump irão incentivar o crescimento económico, o que tem animado sectores que são percepcionados como os maiores beneficiários desse cenário, sustentando fortemente os títulos industriais, farmacêuticos e bancários.

 

Os bancos e as farmacêuticas estão a beneficiar da expectativa de que o novo presidente norte-americano e o Congresso – controlado pelos republicanos – revertam alguns dos regulamentos mais pesados para estes sectores. Ontem, Trump já veio dizer, quando apresentou o seu programa para os primeiros 100 dias na Casa Branca, que vai reduzir as regulações corporativas.

As farmacêuticas estão a recuar hoje. A Pfizer, por exemplo, está a descer 1,05% para 31,90 dólares.

 

Em evidência pela positiva têm estado também as ‘small caps’ (empresas de baixa capitalização), que estão a caminho da mais longa série de ganhos dos últimos 20 anos, numa altura em que os investidores se aventuram a apostar em títulos de maior risco.

 

Um dos sectores que tem beneficiado das expectativa de aumento de despesa pública em infra-estruturas é o industrial, que esta quarta-feira também está a aliviar de ganhos. A Alcoa é um bom exemplo, recuando 3,96% para 30,10 dólares.

 

Os investidores estão cada vez mais convictos de que a Reserva Federal norte-americana irá aumentar os juros directores já na reunião de Dezembro – as probabilidades médias apontadas pelos analistas são de 100%, contra 80% antes das eleições presidenciais e contra 96% ontem – o que animará ainda mais a banca.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub