Bolsa Dow Jones e Nasdaq atingem novos máximos históricos

Dow Jones e Nasdaq atingem novos máximos históricos

Os dois índices norte-americanos estão a negociar no valor mais alto de sempre, em mais um dia de apresentação de resultados. Os lucros das empresas terão subido 8,1% nos últimos três meses de 2016, o melhor desempenho em nove trimestres.
Dow Jones e Nasdaq atingem novos máximos históricos
Reuters
Rita Faria 07 de fevereiro de 2017 às 14:37

Depois de terem arrancado a semana em queda, tanto o Nasdaq como o Dow Jones estão a negociar em novos máximos históricos, num dia marcado pela apresentação de resultados das empresas norte-americanas. Segundo estimativas da Reuters, os lucros terão subido 8,1% nos últimos três meses de 2016, o melhor desempenho em nove trimestres. 

O índice tecnológico Nasdaq ganha 0,25% para 5.677,82 pontos, enquanto o industrial Dow Jones avança 0,43% para 20.139,33 pontos. Já o S&P500 valoriza 0,20% para 2.297,04 pontos.

 

Depois da forte subida das acções no rescaldo das eleições norte-americanas, que levou os principais índices para novos máximos históricos, os investidores estão a olhar atentamente para os resultados das empresas para ver se as avaliações de mercado são justificadas.

 

Antes da abertura do mercado, a General Motors anunciou que fechou o quarto trimestre do ano passado com lucros de 1,8 mil milhões de dólares, em linha com as estimativas dos analistas. Já as receitas aumentaram quase 11% para 43,9 mil milhões de dólares, superando as previsões, que apontavam para 41,2 mil milhões de dólares. Apesar dos resultados, as acções da General Motors estão a descer 3,23% para 35,64 dólares. 

 

Além da General Motors, quase 30 empresas do S&P500 apresentam esta terça-feira as suas contas dos últimos três meses de 2016, incluindo a Walt Disney.

 

Mais de metade das empresas que compõem este índice já divulgou os seus resultados, sendo que três quartos superaram as estimativas de lucros e metade excedeu as previsões para as vendas, segundo dados compilados pela Bloomberg.

  

Os investidores também estão atentos aos comentários de Donald Trump e do seu governo, especialmente num dia em que o tribunal de recurso de São Francisco vai pronunciar-se sobre a suspensão imposta pelo juiz James Robart à ordem que impede a entrada temporária de imigrantes de sete países de maioria muçulmana. 

 

O Departamento do Comércio anunciou esta terça-feira que o défice comercial dos Estados Unidos ficou pouco alterado em 44 mil milhões de dólares em Dezembro, quando as estimativas apontavam para 45 mil milhões de dólares. No conjunto do ano, o défice comercial fixou-se em 502,3 mil milhões de dólares (470,7 mil milhões de euros), o maior nos últimos quatro anos. 

(Notícia actualizada às 15:00 com novos máximos do Dow Jones e Nasdaq)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Tudo isto se esta' a dar por culpa do maluco trump ; ao ver dos geringoncos europeus.

Anónimo Há 2 semanas

Digam mal do Trump, digam ! Eu digo mal , é da trampa dos líderes europeus ! Os américas estão sempre em alta, enquanto que as bolsas europeias fecham sempre na fossa !

Anónimo Há 2 semanas

Os USA estão sempre em alta (salvo raras excepções)! Eles é que têm o trampa e nós (europeus) é que estamos cagados com as nossas bolsas! É sina...

pub