Bolsa Bolsas dos EUA praticamente inalteradas antes da conferência de Trump

Bolsas dos EUA praticamente inalteradas antes da conferência de Trump

O mercado aguarda com expectativa a conferência de imprensa do presidente eleito dos Estados Unidos para obter indicações sobre as medidas que irá implementar quando chegar à Casa Branca.
Bolsas dos EUA praticamente inalteradas antes da conferência de Trump
Reuters
Rita Faria 11 de Janeiro de 2017 às 14:42

Os principais índices norte-americanos abriram pouco alterados esta quarta-feira, 11 de Janeiro, quando falta pouco mais de uma hora para começar a conferência de imprensa de Donald Trump, a primeira desde que foi eleito presidente a 8 de Novembro.

 

É um evento que o mercado vai acompanhar com especial atenção, dado que Trump, que toma posse a 20 de Janeiro, poderá dar indicações sobre o seu plano para impulsionar a economia norte-americana. O empresário vai dar início à conferência, na Trump Tower, em Nova Iorque, às 11:00 locais, 16:00 de Lisboa.

 

Depois de seis sessões consecutivas de ganhos, o Nasdaq desce 0,02% para 5.550,50 pontos, enquanto o industrial Dow Jones sobe 0,11% para 19.877,79 pontos, depois de duas sessões de perdas. Já o S&P500 regista uma descida ligeira de 0,02% para 2.268,50 pontos.

 

A eleição de Trump em Novembro impulsionou fortemente as acções, mas os investidores querem agora mais indicações sobre se Trump mantém as suas promessas de campanha para estimular a economia através do aumento da despesa pública, redução de impostos e repatriamento de fundos das empresas norte-americanas.

 

Além disso, os investidores aguardam pela época de resultados das empresas, que arranca na sexta-feira com os grandes bancos dos Estados Unidos. 

Nesta altura, a Merck ganha 5,01% para 62,92 dólares, depois de a FDA ter concordado com uma rápida revisão do pedido da empresa para combinar a imunoterapia com outros medicamentos para tratar o cancro do pulmão.

 

A AstraZeneca e a Bristol-Myers, que estão a desenvolver terapias semelhantes, descem 0,73% e 2,10%, respectivamente.

 

A Archor Daniels recua 2,5% para 43,35 dólares, depois de a China ter aumentado as tarifas punitivas sobre as importações norte-americanas de uma ração animal, que pode penalizar a empresa. 


(Notícia actualizada às 14:56)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub