Bolsa Bolsas europeias em máximos de 2015

Bolsas europeias em máximos de 2015

A Fed não deu sinais de que vai acelerar a subida de juros nos EUA. Na Holanda, o partido eurocéptico, que ameaçava referendar a permanência do país no euro, perdeu as eleições. Factores que renovaram os ânimos dos investidores na Europa.
Bolsas europeias em máximos de 2015
Sara Antunes 16 de março de 2017 às 11:42

As bolsas europeias estão a subir e a renovar máximos de mais de um ano. O britânico Footsie está mesmo no valor mais elevado de sempre e o principal índice holandês, o AEX, está em máximos de 2007.

 

A determinar o entusiasmo entre os investidores estão os desenvolvimentos políticos na Europa e em relação à Reserva Federal (Fed) dos EUA. Esta última determinou um aumento de juros de 25 pontos base para 0,75% esta quarta-feira, 15 de Março, tal como era já esperado. E manteve as estimativas económicas, bem como as expectativas em relação às próximas subidas de juros. A entidade liderada por Janet Yellen prevê subir os juros mais duas vezes este ano.

A manutenção do ritmo de subida de juros moderado está a animar os investidores. Um entusiasmo que está a ser impulsionado pelos resultados eleitorais na Holanda.

 

Com 95% dos votos contados confirmam-se as projecções divulgadas após o fecho das urnas: o partido de centro-direita do primeiro-ministro Mark Rutte venceu as eleições, relegando a extrema-direita de Geert Wilders para a segunda posição.

 

Geert Wilders ameaçava referendar a permanência da Holanda na Zona Euro. Com a sua derrota, os receios em torno deste eventual foco de stress na Europa diminuíram.

 

O Stoxx600, que agrega as 600 maiores cotadas da Europa, está a subir 0,63% para 377,47 pontos, tendo tocado no valor mais elevado desde Dezembro de 2015. Os ganhos sãos transversais aos vários sectores, mas a banca e as petrolíferas destacam-se.

 

BBVA, Santander e BNP Paribas sobem praticamente 3%. A Royal Dutch Shell e a Repsol estão a apreciar mais de 1,5%.

 

A reflectir este contexto está também a taxa de juro a 10 anos da Alemanha, que está a descer 5,3 pontos base para 0,467%, enquanto a maioria dos juros dos países europeus está a registar uma descida.

 

A descer está também o euro, ao recuar 0,06% para 1,0728 dólares, uma vez que com a subida de juros nos EUA os investimentos denominados em dólares tornam-se mais atractivos, uma vez que a remuneração média aumenta, o que fortalece a moeda verde. 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
TRADER Há 1 semana

Crash, não há que ter medo. Geralmente, pode-se ganhar muito dinheiro, aliás bastante mais, com a bolsa a descer do que com a bolsa a subir. Ter as acções em carteira, à espera que subam, foi chão que já deu uvas, principalmente nesta nossa bolsinha. Toca a shortar!

Crash Há 1 semana

Desse medo também eu tenho Trader!
Tenho medo da bolha americana!

Anónimo Há 1 semana

o trader é mais um bruxo tuga

TRADER Há 1 semana

O comportamento da bolsa hoje, vem confirmar as minhas suspeitas. Se hoje não sobe nada de jeito, não mais subirá. Antevejo um período de ouro para shortar. As bolsas americanas vão começar a corrigir e o PSI cairá com estrondo. Entrarei curto amanhã. A Galp está mesmo em ponto de rebuçado!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub