Obrigações BPI condenado a indemnizar cliente em 400 mil euros devido a riscos sobre obrigações do ESFG

BPI condenado a indemnizar cliente em 400 mil euros devido a riscos sobre obrigações do ESFG

Em sentença a que a Lusa hoje teve acesso, o tribunal refere que o BPI violou os deveres de informação, com uma conduta "ilícita e culposa", incorrendo assim em responsabilidade civil.
BPI condenado a indemnizar cliente em 400 mil euros devido a riscos sobre obrigações do ESFG
Paulo Duarte/Negócios
Lusa 27 de janeiro de 2017 às 10:37

O Tribunal de Braga condenou o BPI a pagar 402.500 euros a um cliente, por não o ter informado devidamente sobre os riscos que corria com a aquisição de obrigações do Espírito Santo Financial Group (ESFG).

 

O ESFG acabou por ser declarado insolvente e o cliente ficou sem os 400 mil euros que investiu nas obrigações.

 

Além da restituição daquele valor, o tribunal condenou ainda o BPI a pagara mais 2.500 euros, a título de danos patrimoniais, relacionados com a preocupação, ansiedade e desconfiança no relacionamento com os outros que resultaram desta "avultada perda" e da "forma abrupta" como ela ocorreu.

 

Em sentença a que a Lusa hoje teve acesso, o tribunal refere que o BPI violou os deveres de informação, com uma conduta "ilícita e culposa", incorrendo assim em responsabilidade civil.

 

"A decisão do investidor pode ser errada, mas tem de ser uma decisão esclarecida (...). Se, por um lado, o investidor conserva o inalienável direito de ser estúpido, por outro também não se pode permitir que os intermediários financeiros façam dele estúpido", refere a sentença.

 

Segundo o tribunal, em Junho de 2014, um funcionário do BPI adquiriu, em nome do cliente mas sem ordens nem consentimento deste, 400 mil euros de obrigações do ESFG.

 

Um mês depois, o banco enviou ao cliente uma carta para assinar a ratificação da aquisição, o que ele acabou por fazer, convencido da "bondade" da operação.

 

O tribunal refere que, à data da aquisição das obrigações, de acordo com a agência de notação de risco "Moody's", o "rating" da ESFG estava dois níveis abaixo de lixo.

 

Um mês depois, esse "rating" já se situava oito níveis abaixo de "lixo". Em Outubro, a ESFG foi declarada insolvente.

 

Para o tribunal, era legítimo concluir que, com um "rating" como o referido, o risco de perda da totalidade do investimento era "muito elevado, sendo previsível a hipótese de insolvência".

 

"Daí que, até face à primeira aparência que nos é dada por este quadro de elevado risco inerente às aquisições em causa, desde logo, mais não houvesse, sempre seria de crer que o autor [cliente] não foi informado sobre os referidos aspectos, tanto mais que, ao fazer este investimento, estava a concentrar em obrigações de elevado risco 40% do valor detido no BPI", lê-se na sentença.

 

Sublinha que as obrigações em causa não são transaccionáveis, não possuindo qualquer valor.

 

O tribunal conclui que o cliente não teria anuído à aquisição das obrigações se o banco lhe tivesse explicado que poderia perder a totalidade ou grande parte do dinheiro investido.

 

"É uma decisão muito importante, porque pode abrir portas para outras pessoas que tenham sido lesadas por falta de informação dos bancos", referiu à Lusa Miguel Torrinha, advogado do cliente.

 

A Lusa contactou também o advogado do BPI, Rui Freitas Rodrigues, que se escusou a quaisquer declarações sobre a sentença nem adiantou se o banco vai ou não interpor recurso.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 27.01.2017

O BPI já foi condenado em mais casos, mas sem publicidade. Mas tão pouco é só um problema do BPI. A entalar os clientes neste tipo de produtos o rei é o BCP.

Reb77 27.01.2017

É lógico mas no fim o cliente só ganha dois mil e tal para o susto .quantos são levados e não vão a tribunal? Agora este julgamento pode servir para poderem tentar recuperar , o que é muito diferente do BES pois alcançou todos os clientes, mesmo os que não tinham ações

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub