Research BPI corta avaliação dos CTT em quase 10%

BPI corta avaliação dos CTT em quase 10%

As novas metas traçadas pela Anacom já tinham levado o BPI a admitir cortar a avaliação dos CTT. Algo que acabou por se confirmar. A casa de investimento continua a recomendar aos accionistas a compra das acções.
BPI corta avaliação dos CTT em quase 10%
Sara Antunes 16 de janeiro de 2018 às 09:25

O BPI reviu a sua avaliação dos CTT de 4,70 euros para 4,25 euros, de acordo com uma nota a que o Negócios teve acesso. São menos 0,45 euros por acção, ou seja, um corte de 9,57%. Ainda assim a casa de investimento continua a ter uma recomendação de "comprar" para as acções dos CTT, algo que poderá ser justificado com o potencial de subida que as acções apresentam face ao preço-alvo estabelecido pelo BPI.

 

Apesar do corte realizado, a avaliação que o BPI faz dos CTT confere à cotada liderada por Francisco Lacerda um potencial de valorização superior a 19% face a actual cotação (3,564 euros).

 

Já na semana passada, o BPI admitia reduzir o preço-alvo dos CTT em 0,35 euros. A revisão acabou por determinar uma redução maior (0,45 euros), com os analistas do BPI a realçarem que também reduziram a estimativa de dividendos para 0,25 euros por acção para 2019, o que compara com os 0,38 euros anunciados para este ano.

 

O BPI destaca ainda que "a combinação de uma posição em Portugal invejável, a situação líquida e o momento da acção pode ser um catalisador para uma fusão ou aquisição".

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




Saber mais e Alertas
pub