Research BPI corta preço-alvo dos CTT após corte de previsões

BPI corta preço-alvo dos CTT após corte de previsões

O BPI juntou-se ao JPMorgan e cortou a avaliação dos CTT, para incorporar a segunda revisão em baixa das estimativas da empresa referentes ao ano passado.
BPI corta preço-alvo dos CTT após corte de previsões
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 30 de janeiro de 2017 às 10:13

O BPI reviu em baixa a sua avaliação dos CTT de 7,0 euros para 6,80 euros, um valor que confere um potencial de valorização de 27% face à actual cotação (5,342 euros). A recomendação foi mantida em "neutral".

 

Esta revisão surge depois de os CTT terem emitido um comunicado onde dizem que o volume de correio no quarto trimestre foi inferior ao previsto, o que terá impacto ao nível das receitas e do EBITDA.  Os CTT estimam que a redução de 4,2% do correio no quarto trimestre implique uma redução entre "4% e 5% nos rendimentos operacionais de 2016".

Estes dados justificam a revisão do BPI da avaliação, bem como dos resultados por acção, que o banco de investimento cortou em 5,7% em relação a 2016 e em 3% para o período 2017-2020.

 

O BPI junta-se assim ao JPMorgan que também cortou a avaliação da empresa em mais de 30%. Os CTT foram reduzidos de "overweight" para "underweight" por parte do analista Christopher Combe, do JPMorgan. Na nota emitida, e citada pela Bloomberg, o analista reduziu também a avaliação que faz da cotada liderada por Francisco Lacerda.

 

Assim, o banco de investimento estabeleceu um preço-alvo de 6,05 euros para os CTT, o que corresponde a uma revisão em baixa de 32,4%, ou 2,90 euros, face ao "target" que tinha em Novembro (8,95 euros). 

 

A revisão das estimativas, a segunda desde Agosto, provocou ainda reacções de outras casas de investimento. O Haitong, por exemplo, decidiu colocar a acção "sob revisão" de forma a reflectir na sua avaliação os novos dados. 

 

As acções dos CTT estão a descer 10,28% para 5,394 euros, tendo já tocado nos 5,31 euros, o que corresponde ao valor mais baixo de sempre. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O mercado está muito volátil e alguém está a criar condições para gerar mais valias ou para comprar em grande quantidade para assumir uma posição dominante nessas empresas e nas suas decisões estratégicas. A banca que é o setor mais instável está a reagir para com os CTT que começam a incomodar.

ABCDEF1 Há 3 semanas

Os dividendos do BPI são um especxtáculo. Mas quem são estes inúteis para criticar os resultados por ação dos outros? EU AVALIO O BPI ABAIXO DE LIXO 50 VEZES.

investidor1 Há 3 semanas

https://goo.gl/forms/cBBl4pEBIkAhOksl1

Muito Obrigado!

pub
pub
pub
pub