Matérias-Primas Café em máximos de 20 meses com queda das exportações brasileiras

Café em máximos de 20 meses com queda das exportações brasileiras

Os preços do café de tipo arábica dispararam para o valor mais alto desde Fevereiro de 2015, depois de o Brasil rever em baixa as suas estimativas para a exportação desta matéria-prima agrícola em 2016.
Café em máximos de 20 meses com queda das exportações brasileiras
Bloomberg
Carla Pedro 03 de Novembro de 2016 às 23:00

O Brasil reviu em baixa as suas projecções para a exportação de café em 2016, sobretudo devido ao elevado consumo interno e também devido aos efeitos da seca. Actualmente, o director da cooperativa Cooxupe, Lucio Dias, estima que as vendas de café para o exterior totalizem quatro milhões de sacas este ano, quando em Abril se projectavam 4,5 milhões de sacas, refere a Bloomberg. Cada saca exportada pelo Brasil contém 60 quilos.

 

O café, recorde-se, apresenta-se sob duas grandes variedades - robusta e arábica –, sendo que a primeira é negociada em Londres e a segunda é a referência do mercado nova-iorquino. Portugal importa ambas as qualidades.

 

O café tipo arábica, com um grão tido como "premium" e que é usado por marcas como a Starbucks, é o que mais tem sido castigado pelo aumento das temperaturas e pela consequente seca que tem afectado as colheitas. Já o robusta – que é mais resiliente e robusto, como o nome indica – tem resistido melhor.

 

O Brasil é o maior produtor de arábica e o Vietname é o maior produtor de robusta – e as projecções apontam para que no Vietname a produção da actual campanha agrícola diminua em 20%.

 

Com esta notícia, o café do tipo arábica para entrega em Dezembro disparou 2,9% esta quinta-feira para 1,623 dólares por libra-peso nos futuros de Nova Iorque, a caminho do quinto mês seguido de ganhos – o que, a acontecer, será a mais longa série de subidas desde 2005.

 

Em Londres, o contrato de Janeiro do café da variedade robusta também valorizou hoje, para 2.175 dólares por tonelada, o valor mais alto desde Outubro de 2014. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub