Banca & Finanças Caixa acaba com a caderneta nas novas contas

Caixa acaba com a caderneta nas novas contas

As novas Contas Caixa já não irão ter caderneta. Há ainda mais de 100 mil clientes que apenas usam apenas a caderneta como meio de pagamento.
Caixa acaba com a caderneta nas novas contas
David Martins/Correio da Manhã
Patrícia Abreu 08 de junho de 2017 às 17:14

A caderneta é uma imagem de marca da CGD, mas que parece estar condenada à extinção. Na abertura de novas Contas Caixa já não serão disponibilizadas cadernetas, mantendo-se esta apenas para quem constituir uma conta-base. Além disso, a partir de 2018, a caderneta deixará de poder ser utilizada como meio de pagamento.


Actualizar a caderneta ao balcão da CGD já custa um euro, mas além desta medida, que pretende evitar que os clientes vão à agência apenas para verificar os seus movimentos, o banco estatal vai deixar de facultar este documento a quem subscrever uma Conta Caixa, uma solução integrada que passou a ser comercializada este mês. Desde o início de Junho que os clientes da CGD, novos e antigos, apenas podem criar novas contas Caixa, que está disponível em três formatos, e que agrega um conjunto de operações.


A excepção são as contas-base, cuja mensalidade de cinco euros é superior ao custo fixo cobrado por mês na solução Conta Caixa S (quatro euros). Além disso, os clientes com rendimentos mais baixos, poderão constituir uma conta de serviços mínimos bancários, sem qualquer comissão de manutenção.


A caderneta continua a ser usada em exclusivo por um grande número de clientes da CGD, que utiliza este meio para realizar levantamentos, fazer pagamentos e outras operações em caixas ATM da CGD. Segundo José João Guilherme são ainda centenas de milhares os clientes que não têm cartão de débito, usando a caderneta como meio de pagamento, mas devido a uma directiva europeia, isto deixará de ser possível no próximo ano.


O administrador da CGD alerta que é necessário mudar a forma como os clientes se relacionam com o banco estatal, destacando que, face ao sector, o volume de transacções no balcão da CGD é muito superior. "O que vão fazer é actualizar a caderneta e pequenos levantamentos e depósitos", esclarece o responsável, acrescentando que se tratam de operações que as pessoas podem fazer no multibanco, permitindo que a afectação de recursos seja dirigida a outras tarefas mais importantes.


A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O que mais deve preocupar os portugueses junto do sector financeiro são os conflitos de interesse e as quebras do dever fiduciário. Conflitos de interesse como aqueles que se prendem com os resgates estatais e subsídios constantes à banca, aos banqueiros e, é bom nunca esquecê-lo, aos milhares de bancários e ex-bancários, agora aposentados, deste país. Isto constitui um onerosíssimo custo de oportunidade. As quebras de dever fiduciário prendem-se com situações de alterações de termos de contrato que prejudicam os clientes, comissões ocultas, aumento indiscriminado de comissões, burocracias anacrónicas, etc. Isto constitui um onerosíssimo custo de contexto.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

´Senhores inteligentes, se vão ao balcão atualizar a caderneta e fazer pequenos levantamentos é porque não o sabem fazer no MB.O que estamos a ver ? Um banco pago por todos nós, que emprestou milhões aos amigos, dinheiro que evaporou, a penalizar a população grisalha.Nada que surpreenda.Alvo a abate

Anónimo Há 2 semanas

Tem como único propósito fazer com que os clientes tenham de pedir cartões de débito e pagar a respectiva anuidade. Mais nada....

Anónimo Há 2 semanas

A caderneta é importante para os clientes registarem e consultarem os movimentos da sua conta. É uma das mais-valias da CGD e também do Montepio. Não percebo qual o interesse em acabar com este meio?! De que custos estamos a falar?! A caderneta é paga pelos clientes!

Anónimo Há 2 semanas

Completamente estapafúrdio! O uso da caderneta como meio de registo de transações e de consulta das mesmas pelos clientes, é um dos principais atrativos da CGD. Permite um maior controle pessoal dos clientes sobre as transações de e para a sua conta bancária.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub