Research CaixaBI antecipa que lucros da Navigator tenham subido 7,5% até Setembro

CaixaBI antecipa que lucros da Navigator tenham subido 7,5% até Setembro

Os analistas do CaixaBI estimam que a empresa terá registado lucros de 144,3 milhões de euros nos primeiros nove meses deste ano.
CaixaBI antecipa que lucros da Navigator tenham subido 7,5% até Setembro
Rita Faria 24 de outubro de 2017 às 18:18

O CaixaBI antecipa que a Navigator tenha fechado os primeiros nove meses deste ano com lucros de 144,3 milhões de euros, uma subida de 7,5% face ao resultado líquido de 134,3 milhões registado no mesmo período do ano passado. Entre Janeiro e Setembro, as receitas terão atingido os 1.216,9 milhões de euros, o que compara com os 1.155,4 milhões do período homólogo.

 

Considerando apenas o terceiro trimestre deste ano, os lucros terão totalizado 48,3 milhões de euros, o que representa uma quebra ligeira de 1,1% face ao mesmo período do ano passado e de 20,1% face aos três meses anteriores.

 

Entre Julho e Setembro, o EBITDA terá recuado 5,9% enquanto as receitas terão aumentado 7,3% para 404,3 milhões de euros, suportadas pela "subida dos preços da pasta e manutenção dos preços do papel", adiantam os analistas.

 

Na nota de análise, revelada esta terça-feira, 24 de Outubro, a unidade de investimento da CGD destaca ainda que a dívida da empresa liderada por Diogo da Silveira (na foto) – que apresenta resultados no próximo dia 26 de Outubro, antes da abertura do mercado - deverá ter sofrido um aumento de 40 milhões de euros em relação ao período entre Abril e Junho para 780 milhões depois da distribuição de dividendos de 250 milhões do trimestre anterior.

 

"A forte evolução dos preços da pasta desde o início do ano tem sido o principal motor dos resultados" no sector da pasta e do papel", afirmam os analistas, lembrando que os preços estão em máximos, muito próximos dos 1.000 dólares por tonelada. Por outro lado, as vendas para o exterior continuam a evoluir a bom ritmo, tirando vantagem do crescimento da procura na China.

 

Na Europa, "a procura por papel UWF (papel fino não revestido) continua a ser resiliente, com taxas de crescimento anuais de 1,5% nos primeiros sete meses de 2017", sustentam. "A fraqueza do dólar americano contra o euro, mais visível desde o segundo trimestre, ajudou a atrair mais exportações da Europa Oriental e do Canadá, mas ainda não conseguiu ter consequências visíveis sobre os preços".

 

As acções da Navigator fecharam a sessão de hoje a descer 0,32% para 4,334 euros, 13% abaixo do preço-alvo do CaixaBI de 4,90 euros. A recomendação é de "comprar". 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Tal como é habitual na bolsa portuguesa, a navigator na perspetiva de melhores resultados, como eu esperava, cai.

eduardo santos Há 4 semanas

Estavam todos os tubarões á espera desta noticia para comprarem acções das empresas de pasta---navigator e altri...............vejamos amanhã

fa Há 4 semanas

Eu sugiro que o Sr. Queiroz Pereira mude a empresa para a Holanda, por forma a que PCP, BE, PS e toda a escumalha não viva por conta do IRC e restantes impostos que a companhia pague

Anónimo Há 4 semanas

Parece-me que depois dos incêndios, a matéria prima abunda. Penso que a madeira ardida é aproveitável já que aparentemente apenas a casca arde. Considerando que a madeira ardida vale metade do preço, as papeleiras irão provavelmente dobrar os seus lucros. Em qualquer caso, a Navigator, já havia previsto vir a importar madeira de Espanha.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub