Research CaixaBI antecipa quebra de 39% nos lucros dos CTT nos primeiros nove meses

CaixaBI antecipa quebra de 39% nos lucros dos CTT nos primeiros nove meses

Os analistas do CaixaBI estimam que entre Janeiro e Setembro deste ano os lucros dos CTT tenham sido de 27,8 milhões de euros, menos 39% do que o resultado líquido alcançado em igual período do ano passado. O CaixaBI mantém preço-alvo e recomendação atribuídos aos correios nacionais.
CaixaBI antecipa quebra de 39% nos lucros dos CTT nos primeiros nove meses
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 25 de outubro de 2017 às 17:58

Em nota de "research" a que o Negócios teve acesso, os analistas do Caixa Banco de Investimento (CaixaBI) antecipam que entre Janeiro e Setembro deste ano os CTT tenham obtido de 27,8 milhões de euros, o que a verificar-se representa uma redução de 39% comparativamente com o período compreendido entre Janeiro e Setembro de 2016.

No mesmo período, o Caixa BI estima que o EBITDA tenha sido de 68,3 milhões de euros (menos 17,3% do que no período homólogo) e que as receitas tenham sido de 519,9 milhões de euros (uma ligeira subida de 0,2% em comparação com os primeiros nove meses do ano passado). 


Já em relação ao terceiro trimestre, estes analistas antecipam lucros de 10 milhões de euros, o que a confirmar-se representa uma quebra de 2,9% face aos 10,3 milhões registados no período homólogo e um aumento de 35,4% comparativamente com os 7,4 milhões alcançados no segundo trimestre deste ano.

Quanto às receitas, a casa de investimento do banco público estima que a instituição liderada por Francisco Lacerda registe um valor de 167,8 milhões de euros no terceiro trimestre, menos 5,2% do que os 177 milhões no período homólogo e menos 4,2% do que os 175,2 milhões no entre Abril e Junho de 2017.

O CaixaBI estima ainda que os correios nacionais tenham alcançado um EBITDA de 22,6 milhões de euros no terceiro trimestre, o que se se confirmar configura uma redução de 9,3% face aos 24,9 milhões de euros obtidos no período homólogo e um aumento de 8,3% relativamente aos 20,9 milhões verificados no segundo trimestre.

 

Com base nestas estimativas, esta unidade de investimento decidiu manter inalterada a recomendação sobre os títulos da cotada em "comprar" e reiterar o preço-alvo em 6,50 euros, o que corresponde a um potencial de valorização de 28,76% comparativamente com o valor de fecho de 5,048 euros dos CTT na sessão bolsista desta quarta-feira.

 

Na nota de análise hoje divulgada, o CaixaBI refere que os CTT publicam os resultados relativos ao exercício financeiro do terceiro trimestre no próximo dia 31 de Outubro, já depois do fecho dos mercados.

O CaixaBI não antecipa "surpresas" nos resultados dos correios nacionais no período considerado, devendo manter-se a tendência decrescente do sector do correio postal.

Já o sector financeiro (Banco CTT) deverá contribuir para a "resiliência recorrente" do grupo através de uma "performance sólida" pese embora estes analistas antecipem uma quebra homóloga de 8,3% das receitas do banco no terceiro trimestre para 16 milhões de euros.

Salienta ainda que os CTT continuam a ser uma das cotadas do índice lisboeta PSI-20 com pior desempenho em 2017. Desde o início do ano a cotada liderada por Francisco Lacerda já desvalorizou 21,68% em bolsa para uma capitalização bolsista actualmente fixada em 757,2 milhões de euros. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.

(Notícia corrigida no nome do presidente dos CTT)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Se o banco é a ruína dos CTT então o que é que vai salvar a empresa??? O serviço postal é e será cada vez mais diminuto ...

Anónimo Há 3 semanas

Dá a sensação que a CaixaBi e o JN gostariam de ser coveiros dos CTT ou pelo menos mantê-los em banho maria. Porquê ?
Em notícias de fecho de bolsa nas rádios raramente mencionam o resultado dos CTT principalmente quando sobem,
Será que os CTT não pagam avenças a estes opinion makers ?
Só pode.

NAO SE METESSEM NO BANCO Há 3 semanas

O Banco foi, e sera a ruina dos ctt, nunca mais levantam cabeca, os acionistas ficaram tramados ,

pub