Research CaixaBI antecipa subida de 11,4% dos lucros da Nos

CaixaBI antecipa subida de 11,4% dos lucros da Nos

Os analistas do CaixaBI prevêem que as receitas da operadora tenham crescido 2,7% para 380,4 milhões de euros, apesar do abrandamento no segmento das telecomunicações.
CaixaBI antecipa subida de 11,4% dos lucros da Nos
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 20 de abril de 2017 às 18:04

O CaixaBI antecipa que a Nos tenha fechado o primeiro trimestre deste ano com um resultado líquido de 27,2 milhões de euros, o que representa uma subida de 11,4% face aos lucros de 24,4 milhões registados no mesmo período do ano passado.

 

"Esperamos que os resultados do primeiro trimestre mostrem a capacidade da empresa de aumentar as receitas e o EBITDA a um nível interessante, apesar da concorrência e do aumento da despesa operacional relacionada com os conteúdos desportivos e maior tráfego móvel", destacam os analistas do CaixaBI.

 

Na nota de análise divulgada esta quinta-feira, 20 de Abril, a unidade de investimento da CGD destaca que a empresa liderada por Miguel Almeida – que apresenta resultados a 27 de Abril, após o fecho do mercado - deverá manter um bom desempenho operacional apesar do elevado nível de penetração tornar difícil a aquisição de novos clientes.

 

Os resultados também deverão ser impactados pela venda da rede de FTTH da Optimus à Vodafone a 31 de Janeiro.

 

Os analistas esperam que as receitas tenham aumentado 2,7% para 380,4 milhões de euros, com as do segmento das telecomunicações a crescerem 3% (o que compara com uma média de 5,2% em 2016)

 

"O EBITDA continuará a ser pressionado pelo aumento esperado de 3,0% nas despesas operacionais provenientes de todas as frentes, nomeadamente dos custos directos, terminando o primeiro trimestre em 141,7 milhões de euros", adianta o CaixaBI. "Espera-se que a margem EBITDA atinja 37,3%, melhorando claramente em relação ao trimestre anterior e ligeiramente acima da registada no primeiro trimestre de 2016".

 

Esta quinta-feira, as acções da Nos caíram 0,10% para 5,094 euros, 17,8% abaixo do preço-alvo fixado pelo CaixaBI (6,00 euros), que atribui à empresa a recomendação de "comprar". 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O da foto 20.04.2017

O testa de ferro angolano que entre dignidade e dinheiro prefere o dinheiro mas tem que haver está gentinha e são fáceis de comprar

pub