Research CaixaBI corta preço-alvo para a Cofina e melhora recomendação

CaixaBI corta preço-alvo para a Cofina e melhora recomendação

Os analistas desceram o preço-alvo para as acções para 0,40 euros devido aos resultados apresentados nos primeiros nove meses do ano. As receitas estão a cair pelo 6º ano consecutivo, levando à diminuição do EBITDA e do resultado líquido.
CaixaBI corta preço-alvo para a Cofina e melhora recomendação
Rita Faria 12 de dezembro de 2016 às 12:21

O CaixaBI cortou o preço-alvo para as acções da Cofina de 0,50 para 0,40 cêntimos e alterou a recomendação de "acumular" para "comprar".

Numa nota de research, divulgada esta segunda-feira, 12 de Dezembro, os analistas da unidade de investimento da Caixa Geral de Depósitos justificam a revisão com os resultados apresentados pela empresa liderada por Paulo Fernandes (na foto) referentes ao terceiro trimestre. No período entre Janeiro e Setembro, a Cofina registou lucros de 3,5 milhões de euros, um valor 6,7% abaixo do obtido no mesmo período de 2015.

As receitas do grupo que, entre outros títulos, detém o Jornal de Negócios, caíram 1,8% para 74 milhões de euros, com os proveitos de circulação a recuarem 3,2% e os de publicidade 3,8%. Pelo contrário, as receitas de produtos de marketing alternativo subiram 8,6% até Setembro.

 

"Mais uma vez, na sequência dos resultados publicados nos primeiros nove meses de 2016, fizemos um ajustamento em baixa das nossas estimativas e a reduzida visibilidade quanto à evolução do mercado leva-nos a manter um cenário conservador para a o futuro", afirmam os analistas.

O CaixaBI destaca que "a Cofina tem conseguido controlar os custos operacionais" mas "as receitas continuam em queda pelo sexto ano consecutivo", o que tem levado à diminuição do EBITDA e do resultado líquido.

"Consideramos que a manutenção de um ambiente de mercado negativo e uma performance pior do que o esperado das receitas de publicidade e de circulação continuam a ser os maiores riscos para as nossas estimativas", conclui a nota de research.

Tendo em conta a cotação actual (as acções da Cofina descem 3,23% para 0,27 euros), o novo preço-alvo atribui aos títulos um potencial de valorização de 48,1%.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
santos 12.12.2016

preço alvo real è de 0.75 , e logo voces verao.

pub