Research CaixaBI eleva avaliação do BPI em 8,7%

CaixaBI eleva avaliação do BPI em 8,7%

O CaixaBI actualizou as estimativas pata o BPI, considerando já o final do próximo ano. A nova avaliação confere um potencial de subida das acções superior a 8%.
CaixaBI eleva avaliação do BPI em 8,7%
Sara Antunes 05 de dezembro de 2017 às 07:45

Resultados até Setembro "positivos" e um "perfil sólido". É assim que o CaixaBI descreve o banco liderado por Pablo Forero (na foto). A actualização das estimativas para o banco controlado pelo CaixaBI, conjugado com o facto de o novo "target" ser até ao final de 2018, levou a um aumento do preço-alvo de 1,15 euros para 1,25 euros.

 

A nova avaliação confere ao BPI um potencial de subida de quase 9%, uma vez que as acções do banco fecharam esta segunda-feira, 4 de Dezembro, a valer 1,147 euros.

 

Quanto ao futuro, "o principal foco continua relacionado com a captura de sinergias", realça o analista André Rodrigues, numa nota de análise a que o Negócios teve acesso.

 

"O balanço sólido e custos de financiamento mais baixos devem permitir ao BPI tornar-se mais agressivo no lado dos activos, nomeadamente na oferta de créditos aos clientes", acrescenta a mesma nota.

 

"Também espera uma redução de 48,1% na posição detida no BFA em Angola (tal como recomendado pelo BCE e já admitido pela gestão). Em qualquer caso, o banco deve manter uma influência significativa nesta unidade rentável", admite o CaixaBI.

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar