Research CaixaBI estima que lucro da Jerónimo Martins foi de 179 milhões no primeiro semestre

CaixaBI estima que lucro da Jerónimo Martins foi de 179 milhões no primeiro semestre

Os analistas do CaixaBI acreditam que no primeiro semestre deste ano os lucros da Jerónimo Martins tenham aumentado 4,2% para 179 milhões de euros.
CaixaBI estima que lucro da Jerónimo Martins foi de 179 milhões no primeiro semestre
Bruno Simão
David Santiago 18 de julho de 2017 às 17:50

Em nota de análise divulgada esta terça-feira, 18 de Julho, pelo Caixa Banco de Investimento (CaixaBI), esta unidade de análise antecipa que nos primeiros seis meses deste ano a Jerónimo Martins obteve um lucro de 179 milhões de euros, 4,2% acima dos 172 milhões de euros registados no período homólogo.

 

Já em termos trimestrais, os analistas do CaixaBI estimam que os lucros da retalhista cresceram 7,2% entre Abril e Junho deste ano face ao período homólogo, de 95 milhões de euros para 102 milhões de euros.

 

No que diz respeito às vendas, estas terão crescido 10,2% no primeiro semestre face a igual período do ano passado, de 6,958 mil milhões de euros para 7,670 mil milhões. Já as vendas no segundo trimestre de 2017 terão ascendido a 3,991 mil milhões de euros, um aumento homólogo de 11,4% face às vendas de 3,583 mil milhões de euros obtidas entre Abril e Junho do ano passado.

 

Nota ainda para o EBITDA, com o CaixaBI a antecipar que este cresceu 7,3%, de 388 milhões de euros no primeiro semestre de 2016 para 416 milhões de euros entre Janeiro e Junho últimos.

 

Na nota de análise, o CaixaBI refere que a cotada liderada por Pedro Soares dos Santos, que divulga os resultados no próximo dia 26 de Julho, já depois do encerramento dos mercados, beneficiou de uma "sólida dinâmica" das vendas comparáveis (like for like) da sua filial polaca (Biedronka).

A fase positiva verificada no mercado polaco deverá continuar, antecipam estes analistas que alertam para o facto de os negócios da Jerónimo Martins – em concreto a Ara na Colômbia – "vão penalizar a rentabilidade da empresa enquanto a rentabilidade em Portugal deverá continuar a ser pressionada pela intensa actividade promocional".

 

O CaixaBI mantém o preço-alvo atribuído às acções da retalhista nos 16 euros, o que, tendo em conta o valor de fecho de 17,72 euros na sessão desta terça-feira, confere um potencial de desvalorização aos títulos da empresa de 9,71%. Também a recomendação foi reiterada em "neutral". 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
O BCP TEVE O DOBRO 18.07.2017

O BCP TEVE O DOBRO e está a um décimo da cotação da jeronimo martins enfim é a justiça deste PAIS

pub
pub
pub
pub