Calculadora Online Calculadora dividendos 2017

Calculadora dividendos 2017

Saiba quanto as cotadas vão pagar este ano e calcule quanto pode receber.
A carregar o vídeo ...

A grande maioria das empresas cotadas portuguesas que habitualmente remunera os seus accionistas já revelou quanto vai pagar este ano em dividendos, em relação ao exercício de 2016.

 

Na calculadora do Negócios, encontrará todas as empresas do PSI-20, e também as cotadas do PSI Geral que, historicamente, distribuem dividendos. Com esta ferramenta, ficar a saber quanto irá receber em dividendos, já descontado do imposto de 28% (assumindo que não opta pelo englobamento), bem como qual é o retorno desse dividendo.


À medida que forem conhecidos novos valores de dividendos e as respectivas datas de pagamento, a calculadora e esta notícia serão actualizadas pelo Negócios. O pagamento da remuneração tem habitualmente lugar nos meses de Abril e Maio.

 

Faça as suas contas, inserindo quantas acções detém e a sua cotação, caso queira saber qual é a rendibilidade do dividendo: 



GLOSSÁRIO

O que é o dividendo? 

É a fracção dos lucros da empresa cotada que é distribuída aos investidores. Normalmente, quando uma empresa obtém lucros num exercício, distribuiu, no ano seguinte, uma parte desses aos detentores de acções, sendo o valor proposto pelo Conselho de Administração e votado em Assembleia Geral.

  

Quanto pago de imposto? 

A carga fiscal sobre os dividendos está em 28%, sendo o imposto pago na altura em que recebe a remuneração. Pode optar antes pelo englobamento, incluindo este rendimento na sua declaração de IRS, mas esta opção só é favorável caso a sua taxa de imposto seja inferior a 28%.  

 

Qual a diferença entre dividendo complementar e intercalar? 

O dividendo intercalar é aquele que é pago quando ainda decorre o exercício a que este diz respeito. O dividendo complementar é o que é pago no final do período a que se referem os resultados. Em Portugal, a Galp opta por dividir o pagamento do dividendo em duas fases, já lá fora são várias as que pagam em quatro fases (uma por trimestre).

  

O que representa o "dividend yield"? 

Resulta da divisão do dividendo pela cotação e determina a rendibilidade da remuneração. Apresentado em percentagem, este é um importante indicador da atractividade do dividendo devendo ser comparado, especialmente, com o das cotadas do sector. 

 

O que é o "payout"? 

É percentagem dos lucros que a empresa distribui sob a forma de dividendos. Quanto maior é este rácio, mais atractiva é a política de remuneração da empresa aos accionistas. O "payout" pode superar os 100%, caso a empresa distribua um valor superior aos lucros.

 

Como posso ter direito aos dividendos? 

Para ter direito aos dividendos, terá que ter na sua carteira os títulos antes da data do destaque dos dividendos. As acções entram em ex-dividendo três dias úteis antes da data de pagamento, sendo que para receber os dividendos basta comprar os títulos no dia anterior à data ex-dividendo, podendo os títulos ser vendidos na sessão em que entram em ex-dividendo. 

 

Quando é que recebo os dividendos? 

A remuneração accionista tende a ser feita entre Abril e Maio, sendo anunciado valor a receber pelos investidores aquando da apresentação das contas do último exercício, ou nas semanas seguintes. Os dividendos são creditados na conta bancária do investidor, sendo o valor já líquido de impostos (a menos que o opte pelo englobamento).

 

O que acontece às acções? 

No dia em que as acções entram em ex-dividendo passam a negociar sem direito à remuneração accionista. No mercado, os títulos das empresas ajustam negativamente de forma a reflectir o valor do dividendo. A queda do valor das acções não tem obrigatoriamente que ser na mesma proporção do dividendo, sendo o mercado a determinar qual a cotação das mesmas após o destaque da remuneração.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
COLX 17.03.2017

Diz-se acima: que a opção só é favorável caso a sua taxa de imposto seja inferior a 28%. Ora eu permito-me discordar. Mesmo com valores inferiores vale a pena fazer o englobamento pelas seguintes razões:
- o rendimento tributável reduzido em 50% relativamente a lucros distribuídos por entidades residentes em Portugal ou noutros Estados-Membro da UE
- embora a taxa de 28.5% seja aplicada ao conjunto dos rendimentos (ao rendimento colectavel) tem caracteristicas muito semelhantes donde resulta uma taxa média que é muito inferior aos 28% aplicados sobre os dividendos brutos

Conselheiro de Trump 17.03.2017

Secalhar e assim:a fartura imaginaria destes bolseiros,e a fraqueza real dos bancos.Eles vao pedir,e como pedem,mas pagar nao consta no dicionario deles,dai a desgraca bancaria que tem vindo a tona.Ja agora sera possivel sai um IMPEACHMENT DE IMPARIDADES,apenas para sossegar a malta.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub