Bolsa Casa de apostas 888 afunda em bolsa com investigação das autoridades

Casa de apostas 888 afunda em bolsa com investigação das autoridades

A casa de apostas online 888 já esteve a afundar mais de 10% depois de ter admitido que as autoridades regulatórias britânicas vão verificar se aquela cumpre as regras relativas à prevenção de problemas associados ao jogo.
Casa de apostas 888 afunda em bolsa com investigação das autoridades
Reuters
Negócios com Bloomberg 15 de maio de 2017 às 13:05

Está a ser uma manhã negra para a casa de apostas online 888, que esta segunda-feira, 15 de Maio, já esteve a afundar 10,32% para 267,25 pence, a maior perda intra-diária desde Junho de 2016.

 

O desempenho da cotada em bolsa acontece no dia em que a 888 emitiu um comunicado em que anuncia que o regulador britânico responsável pela observância do sector do jogo iniciou uma investigação ao cumprimento das regras relacionadas com a prevenção dos problemas associados aos jogos de "sorte e azar".

 

O regulador irá avaliar se a 888 fornece um processo efectivo de auto-exclusão aos jogadores que queiram parar de jogar. Esta investigação surge cerca de ano e meio depois de as autoridades britânicas terem exigido que as casas de apostas e de jogos online forneçam aos clientes mecanismos que lhes permitam suspender temporariamente as suas contas mediante um simples clique, sem terem de contactar um call-center para o efeito.

 

As autoridades britânicas têm aumentado o escrutínio ao sector dos jogos e apostas online, tendo chegado a acordo com empresas como a Paddy Power Betfair, a Betfred ou a Gala Coral para criar medidas de responsabilidade social.

 

Se o regulador concluir que a 888 escapou ao cumprimento das regras, esta cada de apostas poderá ser alvo de coima ou, no pior cenário, ver revogada a licença.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
}
pub