Taxas de juro Certificados de poupança captaram mais de 200 milhões apesar de concorrência das OTRV

Certificados de poupança captaram mais de 200 milhões apesar de concorrência das OTRV

Os Certificados do Tesouro Poupança Mais continuaram a atrair poupança em Julho. Isto apesar de nesse mês o Estado ter lançado novas obrigações para o retalho.
Certificados de poupança captaram mais de 200 milhões apesar de concorrência das OTRV
Bruno Simão/Negócios
Rui Barroso 22 de agosto de 2017 às 11:26

Os certificados de poupança continuaram a atrair investidores em Julho, com a emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável a não travar o interesse naqueles produtos de poupança do Estado. Entre Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM) e Certificados de Aforro (CA), o "stock" aumentou 231 milhões de euros no mês passado, face a Julho, segundo dados divulgados esta terça-feira, 22 de Agosto, pelo Banco de Portugal.

O valor ficou em linha com a média mensal registado no primeiro semestre, que era de 240 milhões de euros. Mas têm sido os CTPM a captarem a poupança dos aforradores. Em Julho, o valor aplicado nestes instrumentos subiu 285 milhões de euros para 13.690 milhões de euros. Já nos CA os resgates continuam. Saíram deste instrumento 54 milhões de euros no mês passado. Essa tendência tem-se verificado desde o início do ano, depois de ter terminado o bónus provisório deste produto.

No total, as aplicações em CTPM e CA totalizam 25.870 milhões de euros. E o registo alcançado em Julho até coincidiu com a emissão de uma nova Obrigação do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), um produto que também é dirigido para o retalho. A oferta desses títulos decorreu de 17 a 28 de Julho. O Tesouro emitiu 1.200 milhões de euros em OTRV, com a procura a situar-se em 1.500 milhões de euros. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub