Obrigações Certificados do Tesouro atraem 250 milhões apesar das OTRV

Certificados do Tesouro atraem 250 milhões apesar das OTRV

Apesar de em Novembro, o IGCP ter avançado com uma emissão de obrigações para o retalho, os certificados do tesouro continuaram a captar investidores. Os de aforro tiveram saldo negativo.
Certificados do Tesouro atraem 250 milhões apesar das OTRV
Bruno Simão/Negócios
Rui Barroso 22 de dezembro de 2016 às 11:56

Os aforradores portugueses continuaram a apostar em certificados do tesouro poupança mais (CTPM) em Novembro. As subscrições líquidas destes produtos atingiram 252 milhões de euros no mês passado, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo IGCP. Apesar dos certificados do tesouro continuarem a ser alvo de investimento, nos certificados de aforro o saldo foi negativo, com resgates líquidos de 15 milhões de euros. Desde Março de 2013, que este tipo de instrumento não era alvo de saída de dinheiro.

O saldo líquido dos dois instrumentos foi de 237 milhões de euros em financiamento para o Estado em Novembro, um valor semelhante ao de Outubro. Isto apesar de o IGCP ter lançado em Novembro uma nova linha das obrigações do tesouro de rendimento variável (OTRV), um instrumento que também é direccionado para o retalho. Nessa operação, o Estado angariou 1.500 milhões de euros.

Certificados atraem mais de 3.000 milhões de euros no ano

Desde o início do ano, os certificados do tesouro e de aforro foram alvo de um investimento de 3.195 milhões de euros. A quase totalidade desse valor foi angariada através de certificados do tesouro, que viram o saldo aumentar cerca de 3.000 mil milhões de euros em 11 meses para 10.968 milhões de euros. A meta indicada pelo IGCP é de 3.500 milhões de euros para o total do ano.

Já o saldo de certificados de aforro foi 153 milhões de euros desde o início do ano (incluindo já o efeito da capitalização dos juros). O montante aplicado neste instrumento era de 12.947 milhões de euros no final de Novembro.

Além dos 3.195 milhões de euros de financiamento obtidos em certificados, o Estado atraiu mais cerca de 3.450 milhões de euros junto dos investidores de retalho através das OTRV.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
}
pub