Mercados CGD pode encaixar quase 56 milhões com venda da corretora Rico

CGD pode encaixar quase 56 milhões com venda da corretora Rico

A Caixa Geral de Depósitos pode encaixar perto de 56 milhões de euros com a venda da corretora Rico. Participação na empresa é através do Caixa – Banco de Investimento e do Banco Caixa Geral – Brasil.
CGD pode encaixar quase 56 milhões com venda da corretora Rico
David Martins/Correio da Manhã
Negócios 02 de dezembro de 2016 às 19:34

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai alienar a sua participação na corretora Rico e com a operação pode vir a encaixar perto de 56 milhões de euros.

"A Caixa Geral de Depósitos, S.A. informa que, na sequência de um processo negocial iniciado em finais de 2015, foi agora formalizado um ‘Contrato de Compra e Venda e outras Avenças’ com a XP Investimentos Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. e os accionistas da ‘Rico Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.’ ("RICO") para alienação desta entidade, na qual a CGD detém, indirectamente, através do Caixa – Banco de Investimento, S.A. e do Banco Caixa Geral – Brasil S.A., interesses económicos representativos de 51% do seu resultado", revela o banco público em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários.


O documento indica também que "o valor de venda dos interesses da CGD representa à data de hoje um valor global de 203 milhões de reais (valor a ser actualizado até à conclusão da transacção com prémio face à taxa de juros brasileira)", ou seja, quase 56 milhões de euros ao câmbio actual.


"A concretização da transacção de venda da RICO encontra-se dependente das necessárias aprovações, nomeadamente junto do Banco Central do Brasil e do Conselho Administrativo de Defesa Económica brasileiro", pode ler-se ainda no comunicado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub