Matérias-Primas Citi vê petróleo acima dos 60 dólares este ano

Citi vê petróleo acima dos 60 dólares este ano

Cortes da OPEP deverão ser estendidos até ao final do ano, diz o Citi.
Citi vê petróleo acima dos 60 dólares este ano
Bloomberg
Patrícia Abreu 18 de abril de 2017 às 20:41

A promessa dos países da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para reduzirem a sua produção acelerou uma escalada das cotações desde Novembro. Mas a recuperação da exploração de petróleo de xisto nos EUA veio pôr água na fervura. O Citi acredita que o cartel vai estender os cortes e suportar uma recuperação dos preços para um valor acima dos 60 dólares por barril até ao final do ano.

O barril de Brent, em Londres, seguia esta terça-feira abaixo de 55 dólares, enquanto o crude, em Nova Iorque, cotava em torno dos 52 dólares. Valores que poderão acelerar 10 dólares nos próximos meses, antecipa um "research" do Citigroup. Numa nota de investimento citada pela Bloomberg, o banco norte-americano mostra-se optimista para o "ouro negro", confiante que a OPEP vai conseguir compensar o aumento da produção norte-americana.

Os especialistas referem que os maiores produtores de petróleo irão estender até ao final do ano o acordo para reduzir as exportações de crude, uma medida que, segundo o Citi, será suficiente para manter o optimismo dos investidores em relação à evolução das cotações.

O banco de investimento junta-se assim ao Goldman Sachs, outro gigante de Wall Street que se manifesta optimista para os preços das matérias-primas em 2017. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub