Research Citigroup diz que "rally" nas bolsas tem espaço para continuar

Citigroup diz que "rally" nas bolsas tem espaço para continuar

O banco de investimento olha para o passado para estimar que o momento positivo mercados accionistas mundiais tem espaço para continuar.
Citigroup diz que "rally" nas bolsas tem espaço para continuar
Negócios com Bloomberg 10 de fevereiro de 2017 às 14:35

As acções mundiais acumulam uma valorização de 24% desde os mínimos de Fevereiro de 2016 e podem subir mais 10% nos próximos 12 meses.

 

A estimativa, do Citigroup, é feita com base no passado, pois o banco de investimento encontra semelhanças entre o actual ciclo com o que aconteceu em 1980, altura em que mercados accionistas também prolongaram o "rally" em que se encontravam há um ano.

 

O Citigroup argumenta que, tal como em 1980, os mercados vão beneficiar com o efeito combinado de melhoria nos resultados das empresas, subida das "yields" das obrigações e fluxo de investimento a entrar nos fundos de acções.

 

Em três quartos dos períodos em que as acções mundiais registaram uma valorização em 12 meses idêntica à actual, nos 12 meses seguintes os ganhos oscilam entre 10 a 15%.

 

"Valorizações saudáveis face aos actuais níveis são consistentes com as perspectivas dos nossos especialistas em todo o mundo", refere a nota de "research" assinada pela equipa liderada por Robert Buckland, que está a ser citada pela Bloomberg.

 

Apesar do optimismo, o Citigroup também mostra alguma cautela, lembrando que no passado também ocorreram desvalorizações após um período de ganhos de mais de 20% em 12 meses. "Lembrem-se que acontecem sempre correcções" e "talvez as preocupações com eventos políticos possam fazer com que tal aconteça em 2017.

 

O índice MSCI All Country está actualmente com um PER (rácio entre cotação e lucros por acção) próximo de 16, o que se situa acima da média de três anos. Uma avaliação que tem deixado alguns bancos de investimento reticentes com a possibilidade de 2017 ser um ano positivo para as bolsas.

 

Em Janeiro o JPMorgan Chase alertou que o "rally" nas bolsas só continuará caso as "yields" das obrigações continuem em alta. O HSBC considera que as cotações estão a ficar demasiado caras para uma altura de incerteza política. Já o BNP Paribas alertou que os índices accionistas estão a atingir o pico.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sarapitolas 11.02.2017

valorizar?
o psi 17??
mas o ano passado perdeu 12%
este ano, também está a perder 2 ou 3%
aqui é só a perder..

técnico superior 10.02.2017

Entrar na Pharol foi a melhor coisa que fiz em 3 anos de bolsa.
Tem sido 2 semanas seguidas a valorizar e já dupliquei o que investi.
Com notícias tão positivas em torno da Pharol vou reforçar ainda mais o investimento... Não vai parar de subir nas próximas semanas!!!

Anónimo 10.02.2017

Cofina: Manipulador, Santander ou GNB venderam?
Ontem, num só negócio alguem comprou 2,2 milhões ações Cofina, e alguem vendeu, as quais correspondem a 2,2% do capital, e cria obrigação de comunicação do artigo 16º da Código CMVM. Se ninguem comunicar, foi o manipulador que parece preparar OPA.

pub