Bolsa Cláudia Azevedo reduz participação na Sonae

Cláudia Azevedo reduz participação na Sonae

A administradora da Efanor e irmã de Paulo Azevedo vendeu 250 mil títulos dos mais de 816 mil que detinha directa e indirectamente na Sonae.
Cláudia Azevedo reduz participação na Sonae
Negócios 25 de novembro de 2017 às 11:37
Cláudia Azevedo, líder da Sonae Capital, reduziu parte da posição total que detinha na Sonae, o que lhe terá permitido um encaixe de 257,56 mil euros.

A transacção, notificada esta sexta-feira, 24 de Novembro, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ocorreu dois dias antes, na quarta-feira passada.

Nesse dia, a administradora da Efanor Investimentos - sociedade dominante da Sonae, com 52,64% do capital - vendeu 250 mil acções da Sonae SGPS a um preço unitário médio de 1,030231 euros. 

Depois da alienação, Cláudia Azevedo passou a deter directamente 377.318 acções, a que se juntam mais 189.314 títulos, indirectamente detidos através da sociedade Linhacom SGPS.

Se contabilizados os 250 mil títulos vendidos, antes da alienação a administradora tinha um total de 816.632 acções, o que significa que com a venda dos 250 mil papéis (detidos via Linhacom SGPS) se terá reduzido em 30,6% a participação total imputada a Cláudia Azevedo.

As acções da Sonae terminaram esta sexta-feira a cair 1,84% para 1,01 euros.



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Com esta ditadura sul Americana se tivesse capital, eu punha todo o meu dinheiro em Espanha ou Holanda!

Treta Há 2 semanas

O tal imposto da Catarina é uma treta sem significado nenhum pq as grandes empresas, nomeadamente a sonae, jerónimo e quase todas do psi, já há muito que mudaram a sede para a Holanda !!!

X Há 2 semanas

Isto só mostra aquilo que já todos percebemos : os manos Azevedo dão ordens de venda ou compra de acções do grupo Sonae, de modo a manipular as respectivas cotações, no seu próprio interesse, enchendo os bolsos à custa dos pequenos investidores como nós !

Luis Há 2 semanas

Há que valorizar em 2018 as empresas do grupo sonae, em prejuízo da casa mãe sonae sgps, para não pagarem mais imposto, pois acima de 35 milhões de euros pagam o imposto Catarina. Inteligente.

ver mais comentários