Mercados CMVM antecipa subida do risco nas acções, imobiliário e fintech

CMVM antecipa subida do risco nas acções, imobiliário e fintech

Entres os vários segmentos de risco analisados no relatório "Risk Outlook" da CMVM, só os relacionados com o mercado accionista, imobiliário e fintech aumentam no próximo ano.
CMVM antecipa subida do risco nas acções, imobiliário e fintech
Miguel Baltazar/Negócios
Rita Faria 15 de dezembro de 2017 às 15:09

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) antecipa uma subida do risco no mercado accionista, imobiliário e fintech no próximo ano, sendo que, em 2017, o financiamento é o único segmento de risco identificado como "muito elevado". Estas são as principais conclusões do "Risk Outlook" divulgado esta sexta-feira, 15 de Dezembro, pelo regulador do mercado.

 

No que respeita ao mercado accionista, a CMVM destaca os riscos da baixa volatilidade, que conjugada com preços elevados, pode conduzir a fortes correcções, que exigem uma monitorização mais apertada.

 

Lembrando que a volatilidade dos mercados accionistas globais tem caído nos últimos trimestres – incluindo no mercado português – o relatório sublinha que "a volatilidade muito baixa, juntamente com preços elevados, tem sido, no passado e em alguns mercados, um indicador chave de fortes correcções do mercado".

 

Por outro lado, afirma o relatório, a baixa volatilidade gera um sentimento de segurança que pode levar à assunção de maiores riscos e uma maior alavancagem. "Durante períodos de baixa volatilidade, os agentes individuais e institucionais aumentam o sentimento subjectivo de segurança e, portanto, a escolha de estratégias de risco", sintetiza a CMVM. "Quanto maior o período de calma, maiores os desequilíbrios que podem surgir no sistema financeiro no caso de um evento inesperado que crie a necessidade de mudar as estratégias de investimento".

 

A CMVM mostra também alguma cautela em relação à evolução do mercado imobiliário, nomeadamente no que respeita à avaliação dos activos, pressão sobre o crédito e avaliação do risco.

 

O regulador lembra que os preços de mercado – assim como o número de casas vendidas – têm subido em Portugal, especialmente desde a forte contracção registada entre 2010 e o primeiro trimestre de 2013. "O número de transacções quase duplicou e os preços cresceram 18% entre o segundo trimestre de 2014 e o segundo trimestre de 2017", aponta o relatório, acrescentando que esta dinâmica exige uma vigilância "cada vez mais estreita" pelos reguladores e também pelos órgãos governamentais.

 

Por fim, a CMVM destaca os riscos relacionados com as fintech, empresas de serviços tecnológicos ligados à área financeira, que, na visão do regulador, "podem conduzir a novos riscos e prejuízos para os ‘players’ do mercado financeiro".

 

"Por exemplo, a crescente adopção de plataformas de financiamento alternativas pode expandir os riscos operacionais e o risco de colapso/falência, erros e má conduta das empresas, risco de fraude e burla pelos utilizadores das plataformas e riscos de liquidez devido à falta de um mercado secundário", exemplifica a CMVM. "Estes riscos também podem prejudicar a confiança nos mercados financeiros e dificultar o seu bom desenvolvimento, que é outra fonte de preocupação para os reguladores do mercado financeiro".

Ainda assim, o organismo liderado por Gabriela Figueiredo Dias afirma que não há evidências de que estes riscos se estejam a materializar em Portugal, estando a CMVM a trabalhar para garantir que as fintech servem os melhores interesses dos consumidores do país. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2017

Comprar MOTA - é o que a CMVM quer dizer com isso..