Bolsa CMVM proíbe "short selling" dos CTT

CMVM proíbe "short selling" dos CTT

A venda a descoberto de acções da empresa postal está proibida entre as 00:00 e as 23:59 de 31 de Janeiro. A CMVM invoca a queda forte das acções - superior a 10% - e a possibilidade de um "fenómeno de especulação com impacto negativo."
CMVM proíbe "short selling" dos CTT
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 30 de janeiro de 2017 às 19:48
A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) proibiu esta segunda-feira a venda a descoberto de acções dos CTT durante a sessão de amanhã, terça-feira, 31 de Janeiro. 

A proibição decretada pela entidade liderada por Gabriela Figueiredo Dias (na foto) sucede-se à forte queda registada pelas acções na sessão de hoje, quando os títulos afundaram 13,99% na maior queda de sempre, renovando um mínimo histórico de 5,171 euros.

Em comunicado, a autoridade dos mercados justifica a medida com a "diminuição significativa" do preço dos papéis da empresa, no caso superior a 10% e tendo em consideração que "a flutuação do preço das acções em causa não pode excluir a ocorrência de um fenómeno de especulação com impacto negativo."

O "short-selling" é uma prática que consiste na venda a descoberto de acções de uma determinada entidade (obtidas através de um empréstimo para o efeito), procurando provocar a sua queda, para depois as comprar mais baratas, lucrando com a diferença. 

A queda da sessão de hoje seguiu-se à revisão em baixa pela empresa postal, na sexta-feira passada, das perspectivas de EBITDA para o ano de 2016, mantendo no entanto a intenção de distribuir o dividendo já comprometido durante o ano de 2017.

Posteriormente, o JPMorgan cortou em praticamente um terço o preço-alvo atribuído aos CTT e reduziu a recomendação de "overweight" para "underweight", enquanto o BPI reduziu o preço-alvo de 7 para 6,80 euros, mantendo a recomendação de "neutral" e o CaixaBI considera que houve um "desenvolvimento negativo para os CTT," não mexendo no entanto na avaliação.





A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Joaquim 01.02.2017

Os filtros de ar na cmvm não devem estar a funcionar bem. Que ar se respira ali que torna as pessoas caricaturas de si próprias? Os CTT, têm de aumentar o preço dos selos, ou não vão lá. E troquem o nome do Azul pelo Vermelho. É que há gente que só por se chamar Correio Azul, prefere o eletrónico.

Anónimo 31.01.2017

o que está penalizar os ctt, é a gestão e um negocio em declínio,alguém acredita que acção ctt vale mais que BPI, uma uma EDP, os ctt com um passivo de um bilião, com uma gestão teima não reestruturar, requalificar para reduzir passivo, os accionistas ctt são futuros lesados ctt, demitem essa gestão

Anónimo 31.01.2017

Se tivessem tido esta atitude no caso do BCP, nunca o banco teria chegado onde chegou.
Será que agora vão estar atentos para outros casos, ou foi só para os CTT.

Manhoso 31.01.2017

Isto é o efeito Costa como seria de esperar ! haverá capitalistas socialistas tirando as famílias gordas daqui ,tipo família Salgado,Socrates,Soares e do Fernando Fantasia que enriqueceu quando o socialismo luzia? Ó povo deste país quando chegar o FMI eles não querem estar aqui.Vão fugir muitos

ver mais comentários
pub