Obrigações Commerzbank: Juros de Portugal em "nível alarmante"

Commerzbank: Juros de Portugal em "nível alarmante"

O banco alemão estima que as obrigações soberanas de Portugal vão continuar sob pressão, até porque o IGCP deverá na próxima semana avançar com um leilão de dívida de longo prazo.
Commerzbank: Juros de Portugal em "nível alarmante"
Nuno Carregueiro 17 de Novembro de 2016 às 11:03

O Commerzbank recomenda cautela com a evolução das obrigações soberanas de Portugal no curto e no médio prazo, assinalando que a "yield" dos títulos de dívida está a atingir um "nível alarmante".

 

O juro da dívida de Portugal a 10 anos fechou ontem no nível mais elevado em nove meses, acima dos 3,6%, com os títulos a serem dos mais penalizados com a turbulência no mercado de obrigações que se verificou nos últimos dias devido à vitória de Trump nas eleições nos Estados Unidos.

 

Para a sessão desta quinta-feira o banco alemão estima um novo agravamento no "spread" da dívida portuguesa, já que os investidores deverão posicionar-se antes do leilão de obrigações que deverá acontecer já na próxima quarta-feira.

 

"Além das ‘yields’ [das obrigações soberanas de Portugal] estarem num elevado nível alarmante, o desempenho superior face às obrigações soberanas de Itália chegou ao fim", refere o Commerzbank numa nota enviada aos clientes esta quinta-feira.

 

O IGCP indicou ao mercado que até ao final do ano deveria avançar com um leilão de obrigações do Tesouro. O banco alemão espera que a emissão seja confirmada já esta sexta-feira e concretizada na quarta-feira (23 de Novembro), com a reabertura das linhas com maturidade em Outubro de 2022 e Julho de 2016 num montante de mil milhões de euros.

 

O Commerzbank suspeita que o desempenho negativo da dívida portuguesa nas últimas sessões esteja relacionado com este leilão, pois habitualmente os investidores vendem títulos no mercado secundário para participar na emissão no mercado primário.

 

"Se for este o caso, será pouco provável um alívio nos juros da dívida portuguesa até o leilão se concretizar", refere o Commerzbank, que reiterou a postura de cautela com a dívida portuguesa no médio prazo.

 

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos estão esta quinta-feira em queda ligeira, cedendo 1,6 pontos base para 3,657%.




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
objectivo Há 2 semanas

Continuo a não gostar da forma como o JNegócios gere este forum.
Era melhor não apagarem nenhuma mensagem desde que n contivesse ofensas, e mantivessem o "gosto e não gosto" de forma aos "profissionais" dos forums n deturparem os debates.

Miguel Há 2 semanas

Luis; Miguel; Gente opinadeira:
Enquanto Portugal tiver a divida que tem, são APENAS E SÓ, os mercados que mandam nisto!!!
Podemos iludirnos que mandamos no nosso futuro, mas continuaremos de joelhos e de mão estendida...
e isto não irá mudar nas proximas DÉCADAS !!!

Anónimo Há 2 semanas

Ja vimos ha muito que a gerigonca entretei-se mais com um falso elogio do que com uma verdade;provavel/ este banco querera dizer que quem fizer bolhas no cu tera de sentar-se em cima delas.Pelos ventos que sopram a teta da EU esta ja a embarrar no umbigo de seca.Casos gregos de tempos idos acabaram.

Anónimo Há 2 semanas

Apagaram o comentário mas volto a perguntar então e o buraco do Deutsch Bank ? Andam caladinhos não é !

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub