Obrigações Como o efeito DBRS se pode reflectir nos juros de Portugal

Como o efeito DBRS se pode reflectir nos juros de Portugal

A DBRS manteve a dívida portuguesa dentro do radar do BCE. A decisão era já antecipada pelo mercado, mas deverá ter um impacto favorável nos juros das obrigações nacionais.
Como o efeito DBRS se pode reflectir nos juros de Portugal
Rui Barroso 24 de Outubro de 2016 às 06:37

O suspense acabou. Pelo menos por agora. A DBRS, a única agência de "rating" que mantém a dívida portuguesa no radar das compras do BCE, manteve na passada sexta-feira a notação de Portugal em BBB (baixo), um grau acima do nível visto como "lixo" pelos mercados. E continua com  perspectiva estável.

Após alguns focos de incerteza, nas últimas sessões a decisão aparentava já estar a ser descontada pelo mercado. Havia, no entanto, alguma  incerteza sobre se a DBRS iria baixar a perspectiva. Após o veredicto da agência ter dissipado, pelo menos nos próximos meses, as dúvidas sobre a elegibilidade da dívida nacional para as operações no BCE, qual poderá ser o efeito nos juros?


Alívio... mas pouco

Antes da DBRS ter divulgado a decisão, os analistas faziam contas sobre qual o impacto que a manutenção do "rating" poderia ter nas taxas das obrigações nacionais.

O Commerzbank recomendava, numa nota aos clientes, um posicionamento para uma descida da taxa a dez anos para 2,8%. Já os analistas do Crédit Agricole apontavam para um impacto favorável  de 20 pontos base na taxa na dez anos, o que se poderá traduzir numa descida da "yield" dos actuais 3,192% para cerca de 2,99%.

Apesar de anteciparem um alívio, o efeito DBRS poderá ser de curto prazo. O Crédit Agricole alertou que  a dívida nacional arrisca a ser alvo nos próximos trimestres de uma incerteza semelhante à das últimas semanas. Isto à medida que se aproximar a nova revisão da agência canadiana, que poderá ocorrer dentro de aproximadamente seis meses.

E apesar de ter deixado o "rating" inalterado, a agência fez alguns alertas sobre Portugal. Nichola James disse ao Negócios que vê como negativo "a ausência de reformas estruturais". Do lado positivo,  a co-responsável pela análise de "ratings" soberanos da DBRS sublinhou a trajectória de redução do défice.

No relatório sobre Portugal, a agência mostrava ainda algumas preocupações sobre o baixo potencial de crescimento da economia e o nível  elevado do rácio de dívida sobre o PIB. Pedia também mais acção no corte da despesa e mostrava dúvidas sobre se a solução governativa permitiria tomar medidas duradouras nesse sentido.

Ultrapassado mais um teste da DBRS, o IGCP tenta aproveitar esse efeito. A entidade liderada por Cristina Casalinho anunciou, alguns minutos antes da divulgação da decisão da DBRS, um leilão de obrigações do Tesouro (OT) para esta quarta-feira. O Tesouro conta angariar entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros, naquela que poderá ser uma das últimas operações de financiamento de OT do ano.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Asneiras atrás de asneiras… roubos atrás de roubos!


comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

A divida fechou em junho nos 131,7% do PIB quando em junho de 2015 era de 128,9% do PIB, uma subida de quase 3% em 12 meses. Mas como os sindicatos agora andam domesticados e os vendedores da banha da cobra vão dizendo uma tretas de que esta tudo bem e distribuindo umas migalhas esta tudo bem.

Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Asneiras atrás de asneiras… roubos atrás de roubos!


pub
pub
pub
pub