Crédito Concessão de crédito para comprar casa abranda em Outubro

Concessão de crédito para comprar casa abranda em Outubro

A concessão de novo crédito para comprar casa baixou em Outubro, face ao mês anterior. Ainda assim, no acumulado do ano, o financiamento para a compra de casa segue em máximos de seis anos.
Concessão de crédito para comprar casa abranda em Outubro
Miguel Baltazar
Patrícia Abreu 13 de dezembro de 2016 às 12:48

As instituições financeiras diminuíram o ritmo de financiamento para a compra de casa em Outubro, com a concessão de novo crédito à habitação a cair para 456 milhões de euros, segundo os dados divulgados esta terça-feira, 13 de Dezembro, pelo Banco de Portugal. Mas, não foi apenas na habitação que abrandou o ritmo de concessão de crédito às famílias portuguesas. O novo crédito baixou em todas as categorias.


As novas operações de crédito à habitação atingiu 456 milhões de euros, em Outubro, um montante inferior aos 512 registados um mês antes. Este abrandamento surge depois de esta rubrica ter recuperado em Setembro, após dois meses de desaceleração na concessão de crédito para comprar casa durante as férias do Verão.


Apesar deste abrandamento, 2016 está a ser um ano forte em termos de concessão de crédito à habitação. No acumulado do ano já foram financiados mais de 4.556 milhões de euros para a compra de casa, máximos de seis anos.

Com as taxas de juros em mínimos históricos, os bancos nacionais têm vindo a aumentar a aposta no crédito à habitação. As principais instituições financeiras têm cortado os "spreads" aplicados nos novos contrato à habitação, além de estarem a oferecer condições vantajosas para os clientes que mudarem o empréstimo.


No crédito ao consumo foram concedidos 323 milhões de euros, em Outubro, menos cinco milhões que no mês anterior. Já no crédito para outros fins, as instituições financeiras emprestaram 138 milhões de euros, um valor inferior aos 154 milhões registados em Setembro.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub