Crédito Concessão de novos créditos ao consumo em máximos

Concessão de novos créditos ao consumo em máximos

O mês de Novembro marcou a concessão do maior valor em crédito ao consumo por parte das instituições financeiras em Portugal em pelo menos três anos, de acordo com os valores disponibilizados pelo Banco de Portugal.
Concessão de novos créditos ao consumo em máximos
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 16 de janeiro de 2017 às 15:50
O montante concedido pelas instituições financeiras em novos contratos de crédito ao consumo atingiu em Novembro de 2016 os 566,26 milhões de euros, um aumento de 13,3% em termos homólogos e de 10,6% em cadeia, estabelecendo assim o valor mensal mais elevado pelo menos dos últimos três anos. 

Contudo, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira, 16 de Janeiro, pelo Banco de Portugal, o número de novos contratos realizados nesse mês - que coincide com o início da época de consumo mais forte do ano, o Natal - desceu no espaço de um ano, caindo 6,8% para 135,39 mil contratos. 

A maior fatia em termos de montante concedido coube a créditos sem finalidade específica, lar, consolidado ou outras finalidades, representando 241,7 milhões de euros. Este valor cresceu, em termos homólogos, 15,6%.

Já o valor concedido em cartões de crédito, linhas de crédito e contas a descoberto registou uma queda de 17,9% em relação a Novembro de 2015, para os 97,11 milhões de euros. Também o número de novos contratos de crédito firmados para esta finalidade recuou - 16% para 80,69 mil.

A concessão de crédito em cartões, linhas e financiamento a descoberto foi, aliás, a única tipologia que registou uma queda homóloga, tendo praticamente todas as restantes crescido mais de 10%. A excepção foi no valor concedido para locação financeira ou aluguer de longa duração de veículos, que avançou 2,2% para 30 milhões de euros.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub