Crédito Concorrência e economia aliviaram restrição no crédito da banca

Concorrência e economia aliviaram restrição no crédito da banca

No Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito, divulgado hoje pelo Banco de Portugal, algumas instituições salientam a menor percepção de riscos na situação económica para aliviar a restrição de concessão de crédito.
Concorrência e economia aliviaram restrição no crédito da banca
Paulo Zacarias Gomes 17 de janeiro de 2017 às 10:58

O sector bancário português registou uma "ligeira redução na restritividade do crédito" no final do ano passado, devido à maior concorrência e à redução da percepção de riscos no mercado de habitação e na situação económica.


Os dados, referentes aos últimos três meses, constam do Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito, divulgado pelo Banco de Portugal esta terça-feira, 17 de Janeiro.


Uma das cinco instituições sondadas pelo regulador dá, contudo, conta de um comportamento inverso, uma vez que a redução da tolerância a riscos aumentou ligeiramente a sua restritividade do crédito.


Outros dois bancos dão conta de uma ligeira redução de spreads aplicados no crédito a particulares e habitação. "Para o primeiro trimestre de 2017, a generalidade das instituições inquiridas não antecipa alterações nos respectivos critérios de aprovação de crédito ao sector privado não financeiro," nota o Banco de Portugal.


O último trimestre do ano passado ficou também marcado por uma estabilização na procura de empréstimos das empresas e um ligeiro acréscimo no dos particulares.


Para os próximos três meses, a maioria dos bancos inquiridos disse não antecipar alterações significativas na procura de empréstimos, embora duas instituições esperem "um aumento ligeiro da procura", na compra de casa e consumo.

Esta segunda-feira, num documento separado, o Banco de Portugal deu conta de que o mês de Novembro marcou a concessão do maior valor em crédito ao consumo por parte das instituições financeiras em Portugal em pelo menos três anos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub