Fundos de investimento Conheça o gestor que se especializou em não fazer nada

Conheça o gestor que se especializou em não fazer nada

Steve Edmundson gere o fundo de pensões dos funcionários públicos do Nevada e tem batido a concorrência ao apostar em "fazer o mínimo possível".
Conheça o gestor que se especializou em não fazer nada
Tiago Freire 22 de Outubro de 2016 às 15:00

No dia em que o Reino Unido votava pela saída da União Europeia, Steve Edmundson saiu do trabalho à hora do costume, pelas cinco da tarde. Poucos minutos depois, estava em casa com a família. Nessa noite dormiu como de costume e, na manhã seguinte, entrou à mesma hora de todos os dias.

Acontece que Edmundson é gestor de activos com 35 mil milhões de dólares a seu cargo, e o Brexit provocou um fortíssimo abalo nos mercados nos dias seguintes à votação.

Nessa altura, Edmundson não vendeu nenhum activo, nem comprou. Seguiu como se nada fosse, fiel à sua estratégia de "fazer o mínimo possível", e que tem utilizado na liderança do fundo de pensões dos funcionários públicos do Nevada. O Estado que alberga Las Vegas é conhecido pelo risco e pelo prazer de jogar, mas Steve Edmundson não gosta disso. Prefere ficar quieto e esperar, e com isso o fundo que gere tem estado consecutivamente à frente de muitos dos fundos de pensões de outros Estados norte-americanos.

A estratégia do Nevada centra-se na simplicidade e nos custos reduzidos. Aloca os seus investimentos a instrumentos que seguem alguns índices, e prefere aqueles que têm taxas de subscrição mais reduzidas. Se outros Estados têm grandes equipas de especialistas financeiros e matemáticos, no Nevada, Edmundson trabalha quase sozinho. A excepção é Ken Lambert, antecessor de Edmunson no fundo de pensões, e que é o único consultor externo de investimento. Os outros dez foram despedidos por não servirem para nada. Edmundson procura fazer o mínimo possível e, sempre que pode, tenta não fazer nada. Quando se sente mais irrequieto, admite, pode fazer uma mudança no portfólio de investimentos… uma vez por ano.

Apesar desta inacção, o gestor gosta de estudar estratégias de investimento. Não gosta é de as aplicar. "Passo muito tempo a investigar coisas que depois não fazemos", explica Edmundson ao Wall Street Journal. Lambert, por seu turno, salienta que "não fazer nada é mais difícil do que parece", porque obriga a um grande controlo e a resistir às ofertas de empresas e firmas de investimento, propondo que o Nevada invista. O gestor atende sempre estas chamadas, mas acaba sempre por não investir. "Tornei-me bastante bom a dizer não. Tento não lhes dar falsas esperanças", explica.


Com esta estratégia de seleccionar os veículos de investimento pelo custo e não tentando bater o mercado, as poupanças são enormes, para além da performance, que tem sido muito positiva. De acordo com os cálculos do Wall Street Journal, se o Nevada utilizasse os serviços de gestão das grandes companhias de Wall Street, pagaria cerca de 120 milhões de dólares anuais em comissões, número que se verifica em vários fundos de pensões de dimensão comparável. Com a sua estratégia, o fundo de pensões dos funcionários públicos do Nevada paga cerca de 18 milhões por ano em comissões.


O caso do Nevada tem vindo a ser estudado, e tem aumentado nos últimos anos a percentagem do portfólio de fundos de pensões a ser alocada a uma gestão passiva.


Edmundson não gosta de gastar dinheiro, e não é só na sua vida profissional. O seu carro é um Honda Element de 2005, com 175 mil quilómetros, e normalmente almoça à secretária: restos do jantar da noite anterior ou uma sanduíche preparada pela mulher. De acordo com registos públicos, em 2015 ganhou um salário de pouco mais de 127 mil dólares.


Quanto aos mercados, o gestor vai acompanhando, mas não ao minuto. O seu gabinete não tem terminal da Bloomberg e ele não gosta de ver a CNBC. Talvez seja esta a forma de evitar entusiasmos repentinos, que poderiam quebrar a sua coerente disciplina de se esforçar ao máximo para conseguir não fazer nada.




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

É um caso interessante. E que ilustra a "economia do supérfluo, do inútil e do pernicioso" - de que venho por aqui escrevendo há anos - no que concerne à "atividade produtiva" dos seus concorrentes: muito mais gente; muitos mais parasitas a mamar à grande; muito mais despesa; piores resultados.

Vou enviar uma cópia deste escrito ao 1º Ministro Costa.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

E o Costa que pensava que era o único....mais uma vez o Vitinho se esqueceu de lançar um imposto sobre aqueles que não fazem nada.

Anónimo Há 2 semanas

Este tem toda a razão.
Como se diz, quanto menos se mexer melhor sai.
Mas em Portugal pelo visto, todos gostam de mexer, daí estarmos como estamos, sempre na bancarrota.

Francisco Carvalho Há 2 semanas

É MAIS INTERESSANTE,QUE Á PRIMEIRA VISTA POSSA PARECER ! USEM A INTELIGÊNCIA EM VEZ DA IMPACIÊNCIA !

JCG Há 2 semanas

Se um tipo avançar devagar, mas em linha recta, e outro avançar à pressa, mas às curvas amplas e simétricas, eles podem-se ir encontrando pelo caminho, o segundo desgasta-se muito mais e o primeiro até poderá chegar mais cedo.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub