Bolsa Corticeira Amorim compra 60% da Bourrassé por 29 milhões de euros

Corticeira Amorim compra 60% da Bourrassé por 29 milhões de euros

A Corticeira Amorim informou a CMVM que chegou a acordo para a compra, através da participada Amorim & Irmãos, de 60% do grupo Établissements Christian Bourrassé por 29 milhões de euros. Os restantes 40% do capital da empresa gaulesa serão adquiridos até 2022.
Corticeira Amorim compra 60% da Bourrassé por 29 milhões de euros
DR
David Santiago 19 de julho de 2017 às 17:38

Em comunicado enviado esta quarta-feira, 19 de Julho, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Corticeira Amorim anuncia ter chegado a acordo para a compra de 60% da empresa francesa por 29 milhões de euros. Os restantes 40% do capital da empresa gaulesa serão adquiridos até 2022. 
 

Na nota enviada ao regulador, a Corticeira Amorim explica que a compra agora anunciada será feita através da sua participada Amorim & Irmãos. Os restantes 40% "serão adquiridos posteriormente, até 2022, por um preço que, tomando por referência o valor já pago pelos primeiros 60%, dependerá ainda da evolução da performance da Bourrassé nos próximos anos".  

 

Com esta aquisição, a Corticeira Amorim "adquire uma marca de forte reconhecimento e prestígio internacionais, reforçando a sua presença no mercado e acrescentando dimensão e valor ao seu projecto empresarial".

 

O grupo Bourrassé, sediado em Tosse, França, detém a totalidade do capital da Socori (Sociedade e Cortiças de Riomeão) e da Corpack Bourrassé (filial chilena), tem mais de 100 anos de história na produção de rolhas de cortiça natural. A empresa detém cerca de 450 colaboradores e está presente em especial nos mercados francês, espanhol, italiano e chilena.

 

Na comunicação prestada à CMVM, a Corticeira Amorim refere que em 2016 a Bourrassé registou um volume de negócios de 55 milhões de euros.

 

"Dado que o Grupo Corticeira Amorim e a Bourrassé partilham uma visão de mercado muito similar, com uma gama de produtos que responde à segmentação e aos requisitos exigidos pelos clientes, a Corticeira Amorim surgiu como o parceiro natural", pode ainda ler-se na nota enviada ao regulador dos mercados.

 

A marca Bourrassé irá manter-se, o que permitirá assegurar "a sua identidade e autonomia", explica ainda o comunicado em que é também referido que Jean Francis Troccard assumirá as funções de presidente do conselho de administração e de director-geral enquanto Christian Bourrassé permanecerá como administrador.

 

No final de 2016, em entrevista ao Negócios, o CEO da Corticeira Amorim, António Rios Amorim, avisava já que a cotada estava atenta ao mercado e continuaria a realizar compras, afirmando mesmo que "temos aquisições para fazer".

 

Ao longo de 2017, a Corticeira Amorim tem vindo a renovar máximos históricos em bolsa, tendo já acumulado uma valorização superior a 44% desde o início deste ano para uma capitalização bolsista que ascende actualmente a mais de 1,6 mil milhões de euros.

 

(Notícia actualizada às 17:57)




pub