Research Corticeira Amorim “consolida posição de líder” com compra da Bourrassé

Corticeira Amorim “consolida posição de líder” com compra da Bourrassé

Os analistas avaliam com nota “positiva” a compra anunciada pela Corticeira Amorim. A aquisição da Bourrassé “consolida a posição de líder” da empresa portuguesa, dizem. O BPI admite que este ano possam ainda ser anunciados mais negócios.
Corticeira Amorim “consolida posição de líder” com compra da Bourrassé
DR
Sara Antunes 20 de julho de 2017 às 09:25

A Corticeira Amorim anunciou a compra de 60% da Bourrassé por 29 milhões de euros, sendo que os restantes 40% serão comprados até 2022.

  

Esta operação é "positiva [para a Corticeira] mas com impacto limitado nas acções", considera o analista Nuno Estácio do Haitong, numa nota publicada esta quinta-feira, 20 de Julho.

 

"Pensamos que esta operação pode permitir algumas sinergias e um fortalecimento da posição da Corticeira Amorim como líder na produção e distribuição de rolhas de cortiça. Contudo, não prevemos que [este negócio] leve a uma grande criação de valor nesta altura."

 

O valor a que foi feita a aquisição "representa 3% do valor de mercado da Corticeira, mas é possível que o valor implícito seja mais elevado se a nova unidade tiver uma posição de dívida líquida", acrescenta o mesmo analista, que avalia a empresa portuguesa em 12,00 euros por acção.

 

"Em termos de vendas, a Bourrassé representa 8% das vendas da Corticeira Amorim previstas para 2017", adianta Nuno Estácio.

 

"Através desta aquisição a Corticeira Amorim consolida a sua posição de liderança no sector das rolhas de cortiça. Salientamos ainda que a Corticeira Amorim apresenta uma sólida situação financeira, o que permite alavancar o seu crescimento", realça o analista José Mora Freitas, do CaixaBI.

  

Já a equipa de analistas do BPI considera que este negócio é "estrategicamente, positivo, já que os principais activos industriais desta empresa estão baseados em Portugal e oferecem uma exposição relevante a mercados-chave como o francês, mas também de Itália, Espanha e América Latina".

 

O BPI diz que tem "falta de informação financeira" sobre a Bourrassé, mas tendo em consideração o que conseguiu apurar, "o potencial impacto na avaliação é positivo (de cerca 3-4%)".

 

Este banco de investimento diz ainda "não excluir mais aquisições ao longo de 2017", ainda que de menor dimensão do que o anunciado esta quarta-feira.  

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub