Crédito Crédito à habitação já aumenta no BPI, Novo Banco e Santander

Crédito à habitação já aumenta no BPI, Novo Banco e Santander

Apesar do crescimento das novas operações, o saldo de financiamento tem vindo a cair. Mas, em algumas instituições, começa a inverter essa tendência.
Crédito à habitação já aumenta no BPI, Novo Banco e Santander
Raquel Godinho 24 de novembro de 2017 às 07:10
As novas operações de crédito à habitação estão em máximos de 2010. Contudo, o "stock" de financiamento tem descido fruto das elevadas amortizações que as famílias portuguesas têm feito, num contexto de taxas de juro negativas. Mas começa a inverter-se esta tendência. E, em alguns dos maiores bancos nacionais, o saldo de crédito para a compra de casa já aumentou nos primeiros nove meses deste ano.

Os cinco maiores bancos nacionais apresentaram, nas últimas semanas, os resultados do terceiro trimestre. Relatórios que trouxeram novidades no que diz respeito ao crédito à habitação. É que, no caso do BPI, Novo Banco e Santander Totta, o "stock" de financiamento para a compra de casa aumentou face aos primeiros nove meses do ano passado. Uma evolução que demonstra que as novas operações de crédito já estão a superar as amortizações.

O banco liderado por Pablo Forero chegou a Setembro com um saldo de crédito à habitação no valor de 11.077 milhões de euros, mais 2,64% do que no período homólogo. No Santander Totta, o crescimento foi de 0,59% para os 17.161 milhões, enquanto no Novo Banco se registou um aumento de 0,32% para os 9.773 milhões de euros.

Apenas no BCP e na CGD o "stock" de crédito continua a diminuir. No banco do Estado, a descida foi de 5,65% para os 26.158 milhões de euros, enquanto no BCP diminuiu 3,57% para os 23.406 milhões de euros. Contudo, continuam a ser estas as instituições com maior quota de mercado no crédito à habitação: de 28% e 25%, respectivamente.

Aliás, os cinco maiores bancos nacionais são responsáveis por 93,6% de todo o dinheiro concedido para a compra de casa.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Parece-me que os Portugueses já viram este filme há uns anos atrás.
Mas agora temos a vantagem de saber como vai acabar.

pub