Crédito Crédito ao consumo continua perto de recordes

Crédito ao consumo continua perto de recordes

O crédito ao consumo permanece em níveis elevados, com os novos contratos a superarem os 500 milhões de euros pela terceira vez este ano.
Crédito ao consumo continua perto de recordes
Miguel Baltazar/Negócios
Patrícia Abreu 15 de dezembro de 2016 às 12:24

O valor concedido pelas instituições financeiras em crédito ao consumo abrandou em Outubro. Apesar do número de novos contratos celebrados para este tipo de financiamento ter aumentado, o montante emprestado diminuiu ligeiramente face a Setembro.


O valor dos contratos de crédito ao consumo atingiu, em Outubro, os 511,9 milhões de euros, abaixo dos 513,6 milhões registados um mês antes, avança um comunicado do Banco de Portugal. Apesar da ligeira descida de 0,3% do montante financiado, o número de novos contratos situou-se em 123.513, o que representa um aumento mensal de 1,6%.


Apesar da evolução negativa face a Setembro, os valores concedidos em crédito ao consumo permanecem em níveis elevados, com este tipo de financiamento a superar pelo segundo mês consecutivo a barreira dos 500 milhões de euros, o que apenas tinha acontecido em Março, quando foi alcançado o recorde de 537 milhões.


O crédito pessoal continua a ser o segmento com maior proporção no crédito ao consumo, representando 46% do valor total. Foram concedidos 235,5 milhões de euros para esta finalidade, um montante 1% inferior aos 237,9 milhões registados em Setembro, mês em que fixou um novo recorde.

Ao contrário do crédito pessoal, o financiamento para a compra de carro aumentou muito ligeiramente. A soma das várias modalidades de crédito automóvel atingiu, em Outubro, 191,7 milhões de euros, um valor que compara com os 191,67 milhões registados em Setembro. Destaque para o crédito com Locação Financeira ou ALD para carros usados, que subiu 9,4% para 5,2 milhões de euros.

Na terceira rubrica que compõe o crédito ao consumo (Cartões de Crédito, Linhas de Crédito, Contas Correntes Bancárias e Facilidades de Descoberto) o aumento em Outubro foi de 0,6% para 84,7 milhões de euros.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.12.2016


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios dos ladrões FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2016


Os ladrões de esquerda

PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios dos ladrões FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

Mr.Tuga 15.12.2016

O regresso ao passado (deixem a taxas historicamente baixas começarem a subir...) patrocinado e avalizado pelos DESPESISTAS RUIINOSOS da geringonça e seu chefe malabarista Bosta!

Anónimo 15.12.2016

O que eu sei é que a taxa de juro a 10 anos da divida Portuguesa hoje está nos 3.80%. Com muita compra de divida pelo BCE. Quando o tapete for retirado em Dezembro de 2017, veremos..

Anónimo 15.12.2016

Viver a crédito, a politica do PS, do Breloque e dos Coreanos do Norte.
Que grande parede se apróxima!

pub