Crédito Crédito ao consumo lidera contra-ordenações do Banco de Portugal

Crédito ao consumo lidera contra-ordenações do Banco de Portugal

O crédito ao consumo foi o segmento que esteve na origem da maioria dos processos de contra-ordenação abertos pelo Banco de Portugal nos primeiros seis meses do ano.
Crédito ao consumo lidera contra-ordenações do Banco de Portugal
Miguel Baltazar/Negócios
Patrícia Abreu 13 de Outubro de 2016 às 17:28

O Banco de Portugal emitiu, no primeiro semestre deste ano, 426 recomendações e determinações específicas dirigidas a instituições financeiras, tendo ainda decidido instaurar 106 processos de contra-ordenação. As situações de incumprimento denunciadas pelos clientes bancários nos seus contratos de crédito ao consumo estiveram na origem da maioria destes processos.

O crédito ao consumo foi a área que motivou a abertura de mais processos de contra-ordenação e recomendações entre Janeiro e o final de Junho. Segundo a Sinopse de Actividades de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal, foram emitidas "426 recomendações e determinações específicas dirigidas a 68 entidades e instaurou 106 processos de contra-ordenação contra 27 entidades".

"Na sequência das acções de inspecção desenvolvidas no primeiro semestre, as recomendações e determinações específicas emitidas incidiram maioritariamente sobre matérias relativas a crédito aos consumidores", adianta o regulador da banca. "Os processos de contra-ordenação foram instaurados maioritariamente na sequência de incumprimento detectados pela análise de reclamações de clientes bancários, tendo os restantes resultado da fiscalização desenvolvida com base no reporte mensal das TAEG dos novos contratos de crédito aos consumidores e no âmbito de acções de inspecção".

A maioria das recomendações (77%) teve por base a realização de acções de inspecção, a fiscalização da publicidade (11,5%) e a análise de reclamações (11,5%).




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

CA esta a prova do que diz o Sr.Ferraz da Costa,e que eu ainda ha minutos acrescentei:salarios indevidos acrescentados de ROUBOS.

pub
pub
pub
pub