Mercados Criptomoedas: Mais de 10% dos fundos levantados em ICO foram roubados

Criptomoedas: Mais de 10% dos fundos levantados em ICO foram roubados

Um estudo da Ernst & Young mostra que o 'phishing' é a técnica mais utilizada pelos piratas informáticos.
Criptomoedas: Mais de 10% dos fundos levantados em ICO foram roubados
reuters
Negócios com Reuters 22 de janeiro de 2018 às 14:11

Mais de 10% dos fundos levantados através de ICO ("initial coin offerings") estão perdidos ou foram roubados em ataques de ‘hackers’, revela um estudo da Ernst & Young citado pela Reuters esta segunda-feira, 22 de Janeiro.

 

A consultora analisou mais de 372 ofertas iniciais de moedas - operações através das quais novas moedas digitais são distribuídas aos compradores - e descobriu que cerca de 400 milhões de dólares do total de 3,7 mil milhões levantados até ao momento foram roubados. O ‘phishing’ foi a técnica de pirataria informática mais utilizada.

 

O estudo da consultora mostra ainda que o volume deste tipo de operações tem vindo a abrandar desde o final de 2017 e que, em Novembro, menos de 25% das ICO atingiram o seu ‘target’, o que compara com 90% em Junho.

 

A Reuters destaca que as conclusões da Ernst & Young são conhecidas numa altura em que as criptomoedas estão directamente sob os holofotes, com empresas jovens a levantarem centenas de milhões de dólares online para financiar os seus projectos, muitas vezes tendo pouco mais de meia dúzia de funcionários e um plano de negócios delineado no chamado "white paper".

 

"O volume de operações disparou, as pessoas alcançaram os seus objectivos, em termos de angariação de fundos, e a qualidade acabou por cair", afirmou Paul Brody, responsável da Ernst & Young pela tecnologia da blockchain, citado pela agência noticiosa.

 

"Ficámos chocados com a qualidade de alguns dos white papers, vemos erros de codificação óbvios e vemos conflitos de interesses entre as empresas que emitem tokens e a comunidade de titulares de tokens".

 

A Reuters explica que nas ofertas iniciais de moedas, as empresas geralmente levantam fundos para construir novas plataformas de tecnologia ou para financiar negócios que usam criptomoedas – também conhecidas como "tokens" – e a blockchain.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Hugo Há 9 horas

Mas os ICOs sempre foram assim.
Só investe em ICOs quem quiser e toda a gente bem informada na comunidade crypto sabe que o risco é maior ao investir em ICOs.

pub