Mercados Cristiano Ronaldo “recomenda” um dos produtos mais arriscados do mundo

Cristiano Ronaldo “recomenda” um dos produtos mais arriscados do mundo

O avançado celebrou uma parceria com a Exness, uma corretora cambial. Os valores não foram revelados, mas a imprensa aponta para que o atleta receba cerca de três milhões de euros por temporada. Este acordo tem feito correr muita tinta na imprensa. Porquê? Cristiano Ronaldo acaba por se associar a produtos de investimento extremamente complexos.
Cristiano Ronaldo “recomenda” um dos produtos mais arriscados do mundo
Reuters
Negócios com Bloomberg 21 de setembro de 2017 às 14:44

Cristiano Ronaldo anunciou, a 2 de Agosto, uma nova parceria. Desta vez com a Exness, uma corretora cambial com um volume de negociação mensal de 314 mil milhões de dólares, segundo a Deloitte, citada pela imprensa internacional.

 

O valor do acordo entre a Exness e Cristiano Ronaldo não foi tornado público, tendo sido noticiado que deverá rondar um valor próximo dos três milhões de euros por temporada. O que estará em linha com o acordado com o Real Madrid, tendo dias antes a Exness celebrado um acordo semelhante com o clube merengue.

 

Este acordo tem sido noticiado por vários órgãos de comunicação, mais pelas potenciais implicações do que pelo acordo em si. A imprensa salienta que o jogador português tem mais de 59 milhões de seguidores no Twitter – rede social através da qual anunciou o acordo – um número que supera em 21 milhões o número de seguidores, por exemplo, do presidente dos EUA, Donald Trump.

 

E qual é a preocupação? É que a Exness é uma corretora cambial que trabalha com produtos complexos. Esta empresa, com sede no Chipre, trabalha com produtos complexos, altamente alavancados (chamados de CFD - contracts for difference) que representam riscos de investimento, especialmente aos investidores retalhistas, normalmente menos habilitados.

 

Espanha tem implementado medidas de protecção dos investidores, tendo, nomeadamente, imposto restrições à publicidade no futebol a este tipo de produtos, explica a Bloomberg. Estas medidas entraram em vigor em Março, precisamente porque o regulador do mercado espanhol considera que este tipo de investimento "não é apropriado" para investidores de retalho.

 

A agência de informação americana realça que os investidores que apostaram nestes produtos em Espanha perderam dinheiro 82% das vezes, com o regulador a revelar que cerca de 31.000 corretores perderam 142 milhões de euros nestas operações, num período de 21 meses terminado em Setembro de 2016.

Como se processa uma operação destas?

Um cliente com 1.000 dólares na sua conta aposta que o euro vai valorizar frente ao dólar americano. As empresas oferecem CFD com uma alavancagem de 400 vezes, o que transforma a conta do cliente num depósito especulativo de 400.000 dólares. Se o euro subir 0,1%, ganha 400 dólares. Se o euro cair perde 400 dólares, ou seja, 40% do seu depósito. Mas, se o euro descer 1%, o investidor perde os seus 1.000 dólares e acabará por pagar 3.000 dólares.