Obrigações Cristina Casalinho: “Taxa média da dívida portuguesa está ancorada em 3,4%”

Cristina Casalinho: “Taxa média da dívida portuguesa está ancorada em 3,4%”

O Estado pagou uma taxa de mais de 4% na primeira operação de financiamento do ano. Mas a presidente do IGCP refere que a taxa média da dívida está ancorada em 3,4%.
Cristina Casalinho: “Taxa média da dívida portuguesa está ancorada em 3,4%”
Pedro Elias
Rui Barroso 12 de janeiro de 2017 às 08:30

A agência que gere o crédito público iniciou esta quarta-feira o programa de financiamento de 2017.Emitiu três mil milhões de euros através de uma nova linha de Obrigações do Tesouro, que vence em 2027. A taxa da operação foi de 4,227% e a taxa de cupão de 4,125%. Apesar de ter sido o juro mais elevado numa emissão desde 2014, Cristina Casalinho refere que a taxa média da dívida está ancorada em 3,4%. E que em Outubro irá vencer uma linha de OT que tem uma taxa de cupão mais elevada.

Qual o balanço da operação em termos de preço e de procura?

A operação foi bem-sucedida em termos de preço e procura. O preço inicial foi colocado em "mid swap" (MS) mais 360 pontos base (pb) e a operação foi fechada a MS+352pb. Assim, durante a sua execução conseguiu-se uma melhoria de custo de cerca de 8 pb. No que se refere à procura, esta foi elevada e muito forte em termos de qualidade e quantidade. Participaram muitas contas com grande diversidade de geografias e tipo de investidores.

 A taxa da operação ficou acima de 4%. No entanto, o Estado consegue assegurar, logo na primeira metade de Janeiro, cerca de 20% do montante pretendido em OT para o total do ano. Este é um factor positivo e que poderá diminuir alguma da pressão sobre as taxas das obrigações nacionais?

Acreditamos que sim – essa leitura é encorajada pela forma como o mercado reagiu hoje ao lançamento da transacção.

 As taxas de 4% podem ser o "novo normal" para Portugal se financiar em maturidades próximas dos dez anos? O Estado tem condições para suportar custos de financiamento deste nível?

A taxa média (implícita) na dívida portuguesa encontra-se presentemente ao nível de 3,4% e dada a sua maturidade e a representatividade dos empréstimos oficiais está relativamente ancorada em torno deste nível. Recorde-se que no auge da crise, em 2011, a taxa implícita da dívida portuguesa atingiu 4,1% numa altura em que a vida média da dívida se situava em 5,3 anos. Hoje, o custo médio encontra-se em 3,4%, como se referiu, e a vida média em 8,4 anos.

Numa perspectiva meramente de fluxos de caixa: a OT 2017 que amortiza este ano em Outubro, paga um cupão de 4,35% (foi emitida em 2007 com 10 anos) que compara com o presente cupão de 4,125% - ou seja, observa-se ainda uma poupança de juros.


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.01.2017

O empréstimo da TROIKA tinha uma taxa de juro média de cerca de 2,9% para uma maturidade média de 15,8 anos (dados IGCP).
Onde estão aqueles que diziam que era um roubo, agora que estamos a pagar 4,227% a 10 anos!!!???
Convém lembrar que foi numa altura em que ninguém emprestava a Portugal!

Anónimo 12.01.2017

"Cristina Casalinho refere que a taxa média da dívida está ancorada em 3,4%"
Seria interessante saber qual tem sido a evolução da taxa média da dívida portuguesa nos últimos 15 anos?
Existe algum site onde se consiga consultar essa informação?


surpreso 12.01.2017

E só pode subir.Quanto pagam vocês pelas poupanças dos cidadãos,seus chulos?

Domingos 12.01.2017

Se compararem com as emissões antes do resgate a poupança é ainda maior. Jornaleiros sabujos, há cerca de um ano tínhamos as OT a 10 anos a pouco mais de 2%, graças ás políticas da geringonça somos o único país (exceptuando a Itália) que viu as suas taxas subir durante 2016....

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub