Bolsa CTT e BCP ditam queda da bolsa

CTT e BCP ditam queda da bolsa

A bolsa nacional fechou a sessão a perder, a acompanhar a tendência das congéneres europeias. As descidas superiores a 2% dos CTT e a queda do BCP foram determinantes para o comportamento
A carregar o vídeo ...
O PSI-20 encerrou a sessão desta sexta-feira, 7 de Julho, a recuar 0,29% para 5.153,96 pontos, com 12 cotadas a negociar em queda, seis em alta e uma inalterada, no segundo dia consecutivo em que o principal índice nacional transaccionou no vermelho e em que tocou no valor mais baixo desde 29 de Junho. 

A bolsa nacional acompanhou a tendência de perdas que predominou nas principais praças europeias, num dia em que o sector energético penalizou ao cair para o nível mais baixo desde Novembro. 

No plano nacional foram os CTT e o BCP que mais penalizaram, com os correios nacionais a perderem 2,02% para 5,435 euros e a banco liderado por Nuno Amado a cair 0,71% para 0,2388 euros após ter sido noticiado o interesse do Millennium Bank (filial polaca detida a 50,1% pelo BCP) na compra de activos do Deutsche Bank na Polónia

Continuando na banca, o Montepio ajudou a travar uma maior desvalorização do PSI-20 com as unidades de participação da caixa económica a caírem 1,23% para 0,99 euros, estando assim ainda abaixo do valor de 1 euros inscrito na oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela Associação Mutualista Montepio Geral sobre o fundo de participação da caixa económica. 

Apesar de na Europa a energia ter negociado tendencialmente no vermelho, em Portugal o sentimento dividiu-se, com a EDP Renováveis a resvalar 0,49% para 6,859 euros e a EDP a ganhar 0,28% para 2,83 euros. A Renováveis continua assim acima dos 6,75 euros oferecidos pela EDP (valor que já exclui os cinco cêntimos de dividendo que foram distribuídos aos accionistas em Maio) na OPA lançada sobre a cotada liderada por Manso Neto.

A confirmar a tendência indefinida neste sector, a Galp Energia perdeu 0,27% para 13,075 euros numa altura em que o Brent, negociado em Londres e utilizado como valor de referência para as importações nacionais, segue a cair mais de 2,5% para 46,82 dólares por barril, enquanto a REN ganhou 0,45% para 2,702 euros. 

Nota negativa ainda para o sector do papel, com a Navigator a deslizar 0,67% para 3,729 euros e a Altri a perder 0,84% para 3,998 euros. E também para o retalho, num dia em que a Jerónimo Martins desvalorizou 0,58% para 17,185 euros e a Sonae perdeu 1,35% para 0,949 euros. 

Também a impedir uma queda mais acentuada da bolsa lisboeta esteve a Semapa, que avançou 1,16% para 16,98 euros, e a Nos, que somou 1,37% para 5,323 euros. 

(Notícia actualizada às 17:05)



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado escrote Há 1 semana

a aqui uns agarrados da mota engil, bem aflitos que até metem dó.

comentários mais recentes
novos aumento de capital Há 1 semana

O presidente da CGD afirma que os bancos têm de ter mais capital para responder às exigências regulamentares. É já a partir de janeiro que os bancos terão de ter reservas adicionais de capital.

Paulo Macedo afirma que “todos os bancos vão precisar de mais capital daqui a seis meses”. O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) salienta, numa conferência organizada pelo ISEG, que as instituições financeiras têm mais exigências em termos regulamentares. É já em janeiro que termina o prazo para as instituições financeiras reforçarem as almofadas de capital, por exigência do Banco de Portugal. Mas esta realidade não se reflete na concessão de crédito às empresas, defende Macedo, referindo que a Caixa “quer” dar mais empréstimos.

“Os bancos têm de ter mais capital. É uma realidade que os bancos têm mais exigências em termos regulamentares”, nota Paulo Macedo, na conferência “Real Economy and Finance” do ISEG. Recorde-se que o Banco de Portugal deu um ano aos maiores bancos

MOTA ENGIL Há 1 semana

EU NÃO ESTOU AGARRADO Á MOTA ENGIL, PENA MINHA , MAS RECONHEÇO, QUE ESTA EMPRESA TEM MUITO POTENCIAL , A ECONOMIA MUNDIAL JÁ ARRANCOU, A CONSTRUÇAO VAI SER O FUTURO, ESTA EMPRESA EM 6 VALORIZOU MAIS DE 60% E VAI CONTINUAR, ENQUANDO A MAIORIA «VAI DESVALORIZAR, OUTRAS AS AÇÕES ESTÃO CARAS,

Anónimo Há 1 semana

Escrote, e tu estás agarrado a quê?

escrote Há 1 semana

a aqui uns agarrados da mota engil, bem aflitos que até metem dó.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub