Mercados Custo com a almofada financeira caiu quase metade em dois anos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Custo com a almofada financeira caiu quase metade em dois anos

O custo de manter a almofada de tesouraria foi de 180 milhões de euros no ano passado, segundo as estimativas do IGCP.
Custo com a almofada financeira caiu quase metade em dois anos
Pedro Elias/Negócios
Rui Barroso 12 de julho de 2017 às 00:01

O custo de manter uma almofada de liquidez diminuiu em 2016 face aos anos anteriores, segundo estimativas constantes no relatório anual do IGCP, divulgado esta terça-feira. Manter essa rede de segurança custou 182 milhões de )

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Olharapo 12.07.2017

Almofada bem carota !

surpreso 11.07.2017

O que custa não é a almofada,mas a "cama".Vamos ver a surpresa de amanhã

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub