Obrigações DBRS corta rating de Itália

DBRS corta rating de Itália

A agência reduziu o rating transalpino de A (low) para BBB (high), a três níveis da categoria especulativa. Itália fica assim dois níveis acima de Portugal, que depende da DBRS para aceder ao programa de compras do BCE.
DBRS corta rating de Itália
Paulo Zacarias Gomes 13 de janeiro de 2017 às 19:05

A agência de notação financeira canadiana DBRS cortou o rating de Itália num patamar, justificando o movimento com a fragilidade do sector financeiro e a incerteza do apoio político às reformas estruturais em curso no país numa altura em que o país atravessa um período de "frágil crescimento".

A redução levou o rating de longo prazo da dívida transalpina de A (low) para BBB (high) - crédito de qualidade adequada - com tendência estável, com a agência a considerar que a rejeição do referendo constitucional impediu uma maior estabilidade governativa, limitando a aprovação de medidas adicionais por parte do governo interino.

A agência considera ainda que o nível de crédito malparado no país continua elevado e dificulta a missão do sector financeiro apoiar a economia, apesar das medidas colocadas em campo pelo Governo - como o fundo de 20 mil milhões de euros destinado a apoiar eventuais resgates bancários, como o do Monte dei Paschi.

O outlook estável atribuído ao rating é sustentado no "forte compromisso" do país com a consolidação orçamental e sinais de uma recuperação económica "modesta".

O risco de eleições antecipadas permanece mas a DBRS não acredita que tal aconteça antes do Outono deste ano. Além disso, espera que a próxima lei eleitoral aumente as possibilidades de um governo de coligação, afastando o cenário da chegada de partidos populistas ao poder.

A fragilização do compromisso em torno da consolidação orçamental ou uma revisão em baixa das perspectivas de crescimento podem desencadear um corte no outlook, para negativo, sugere a agência. Em sentido inverso, eventuais melhorias na qualidade de crédito do sector financeiro ou a forte implementação de reformas estruturais podem ajudar a melhorar a notação.

A DBRS é a única das quatro agências de rating que acompanham a dívida soberana portuguesa a considerar estas obrigações na categoria de investimento - em BBB (low) com outlook estável -, classificação que permite que os títulos de dívida portugueses sejam elegíveis para o programa de compras do BCE.

Com esta alteração, a dívida italiana fica a dois níveis acima da portuguesa e a três níveis de poder entrar na categoria "junk", ou especulativa.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
00SEVEN Há 1 semana

A "DBRS" é meiguinha!
Pode ser que um dia lhe saia o tiro pela culatra!
É Canadiana!

pertinaz Há 1 semana

É O QUE ACONTECE A QUEM NÃO PAGA

Resposta de pertinaz a pertinaz Há 1 semana

...Á DBRS...

nin Há 1 semana

O pouco destaque é para segunda-feira a malta não tirar o dinheiro dos bancos. Mas é claro que a seguir somos nós, só que a nossa baixa de rating mexe com outras coisas. Aliás, a camarada Catarina a Grande já abriu a bocarra e começou a espernear e a dizer que a culpa é da UE. Lixo. Resgate. Etc.

Anónimo Há 1 semana

Ui ui ui ui ui!!! Pouco destaque que esta notícia está a merecer por parte dos jornais online de economia.

pub